Vendas de motos premium em alta na capital baiana

Publicado quarta-feira, 25 de agosto de 2021 às 06:04 h | Atualizado em 24/08/2021, 21:34 | Autor: Lúcia Camargo Nunes

As motos premium, acima de 450 cm³, tinham 4,13% de participação no mercado brasileiro até 2019, entre modelos nacionais e importados. Apesar de parecer pequena, essa fatia de mercado de maior valor agregado representa 30% do que é faturado nas vendas totais.

Se já era um segmento em ascensão, a pandemia acelerou o desejo de muitos brasileiros de trocar o transporte por aplicativo ou público por uma motocicleta, não apenas no dia a dia, mas também para viajar.

No Brasil, além do crescimento de vendas e modelos em oferta das marcas BMW Motorrad, Harley-Davidson e Triumph, desponta entre as premium a nova Royal Enfield. A marca indiana, que planeja produzir seus modelos clássicos em Manaus, começou com uma loja em 2017 em São Paulo e fecha este ano com 20 revendas.

Nova loja

Em breve, Salvador recebe sua primeira loja, na Pituba, investimento do Grupo Vittacar, que tem uma loja Triumph na capital. “A Royal Enfield posiciona-se no mercado de média cilindrada. Motos de 251 cc a 750 cc. Esse mercado varia entre 300 e 400 motos por mês no estado da Bahia. Temos uma expectativa de suprir 10% desse mercado. Sem dúvida, o maior volume será do novo modelo, Meteor 350”, explica o gerente-geral, André Accioly.

De acordo com o executivo, a Royal é uma marca purista. “O purismo no motociclismo está ligado a rodar com motos clássicas e apenas com o necessário de tecnologia. A Royal Enfield é a marca de moto com mais tempo em produção. A primeira foi em 1901”, afirma.

A nova Royal Enfield Meteor 350 faz referência ao modelo de 1952, em três versões, que custam entre R$ 17.990 e R$ 18.990. O motor é de 350 cm³ e 20,2 cv. “Essa é nossa proposta premium para um novo momento da marca no mercado internacional fora da Índia. Essa é uma moto com o puro DNA da nossa marca”, afirma Claudio Giusti, diretor-executivo da Royal Enfield no Brasil.

Salvador está na próxima etapa de expansão da rede de concessionárias da marca, junto com Vitória (ES), Sorocaba (SP), Niterói (RJ) e assim finalizar o ano com 20 concessionárias. “A Royal Enfield acredita no mercado brasileiro, aposta e segue investindo”, conclui Giusti.

Imagem ilustrativa da imagem Vendas de motos premium em alta na capital baiana
Royal Enfield inaugurando loja em Salvador

Recuperação

As demais marcas de motos premium estão em franca recuperação. “As vendas na Bahia estão de vento em popa”, afirma André Accioly, gerente-geral da Bahia Triumph. “O primeiro trimestre foi muito bom. Poderia ter sido ainda melhor, mas os males que atingiram toda a indústria também nos atingiram e algumas motociclistas ainda trabalham com fila de espera”, explica.

Os modelos mais emplacados na Bahia nos primeiros seis meses do ano foram a Tiger 900, a Rocket e a Street Triple. De acordo com Accioly, o segundo semestre promete, com o lançamento em terras brasileiras da Trident 660. “Fora esse esperado modelo, teremos ainda outros lançamentos no segundo semestre”, antecipa.

Após um primeiro semestre difícil, a New Bahia Harley-Davidson já colhe melhores resultados desde junho, com um crescimento de 30% em relação ao início do ano. “Agora em julho, já registramos um aumento de 34% nas vendas de motocicletas”, conta por Vinicius Ayres, gerente-geral da New Bahia. A empresa ainda planeja a expansão dos negócios, com a abertura de dois pontos de serviço – um em Vitória, (ES) e outro em Fortaleza (CE), nos quais poderão vender motos no futuro.

Neste momento de recuperação, a Harley-Davidson trabalha com um plano de financiamento com taxas de juro de 0,89%, além do plano balão. “Por ele, a pessoa dá uma entrada de 30% do valor da motocicleta, paga uma parcela menor do que seria com a parcela fixa e, no fim do contrato, o cliente pode pegar outra moto ou recomprá-la. Esse plano está dando supercerto”, comenta Ayres.

Para o próximo ano, já está confirmada a chegada da primeira moto Big Trail da história da Harley-Davidson, a Panamerica. E com o avanço da vacinação, acredita Ayres, os clientes da concessionária voltam a prestigiar os eventos da marca, como o café da manhã do sábado, e estarão mais confiantes para viajar. “Porque esse é o espírito Harley-Davidson: não é apenas um veículo de duas rodas, é o viver a experiência em grupo”, descreve o gerente da New Bahia.

A líder do segmento BMW Motorrad fechou o primeiro semestre com alta de 42%. Em Salvador, os modelos mais vendidos foram G310GS, R1350GS e F850GS.

“O crescimento pode ser atribuído à mudança de percepção do consumidor com relação à moto, que passou a ser vista como uma forma segura de meio individual de transporte e lazer em tempos de pandemia”, afirma Julian Mallea, diretor da BMW Motorrad, marca que expandiu em 50% a produção em Manaus (AM), de 10 mil para 15 mil unidades desde o final de 2020. É desta fábrica de onde saem 98% das motos vendidas atualmente.

Publicações relacionadas