Conselho Estadual da Saúde cobra 100% dos ônibus nas ruas

Órgão estadual da saúde diz que medida visa conter transmissão da doença no transporte público da capital

Publicado sexta-feira, 15 de julho de 2022 às 06:00 h | Atualizado em 14/07/2022, 23:16 | Autor: Jade Santana*
Segundo especialista, ampliação da frota é necessária para evitar aglomerações nos horários de maior pico
Segundo especialista, ampliação da frota é necessária para evitar aglomerações nos horários de maior pico -

Por meio do Ministério Público do Estado da Bahia (MP), o Conselho Estadual da Saúde (CES) recomendou à prefeitura de Salvador a circulação de 100% da frota de ônibus coletivo na capital. A medida visa refrear ao máximo a transmissão do coronavírus nos meios de transporte público da cidade.

Representantes dos CES reuniram-se com a promotora Rita Tourinho com o objetivo de reforçar a necessidade em se monitirar o cumprimento do aumento da frota e outras medidas sanitárias que foram acordadas em janeiro deste ano com a Secretaria Municipal De Mobilidade (Semob). 

Dentre as principais ações previstas no acordo estão a retomada integral da circulação de 100% dos coletivos na capital, que, de acordo com dados da Semob, equivale a 1,8 mil veículos, e a criação de horários extras de circulação. Segundo Marcos Sampaio, presidente do Conselho, antes da pandemia a frota de transporte coletivo em Salvador era de 2,2 mil veículos. Sampaio explica que a ampliação é necessária para evitar aglomerações em horários de pico. 

Outros compromissos firmados no acordo preveem ainda a manutenção constante da limpeza e higienização dos ônibus e estações, orientação quanto ao uso de máscaras de proteção, e a divulgação de informativos sobre como reduzir os riscos de infecção e alertar para a importância dessas medidas de proteção, bem como da vacinação, destaca o representante da CES.

Experiência do usuário

“São medidas importantes para frear o atual aumento de casos da doença em Salvador. Há mais de 30 mil casos ativos de Covid-19, e precisamos reforçar essas condutas para diminuir a transmissão do vírus. As novas variantes são mais fracas, porém, têm alta transmissibilidade, principalmente em locais fechados como os ônibus”, fala.

Sampaio diz que, a partir da experiência dos usuários do sistema de transporte em Salvador, o Conselho concluiu que as medidas acordadas não vêm sendo cumpridas. “Este é o momento em que todas as medidas devem ser tomadas para frear o avanço da doença, porque não queremos voltar para 2020. Não estamos cobrando novas medidas, apenas o cumprimento do que já foi acordado entre a prefeitura e o Ministério Público”.

A estudante Ísis Maurício, 21, descreve a rotina de pegar ônibus na capital como um pesadelo. “Estão sempre lotados e sujos, além disso, chegam atrasados no ponto e você ainda tem que passar o caminho todo rezando pra não ser assaltada”, fala.

“Essas medidas sanitárias nunca chegaram a ser efetivas de fato dentro dos ônibus, mesmo antes da vacina muita gente não usava máscara e o transporte sempre ficava cheio. Acredito que vai seguir da mesma forma, zero segurança em relação à Covid e outros vírus”, diz.

O também estudante Lucas Almeida, 22, concorda com ela. Diz que há um descaso da prefeitura com o transporte público da cidade, “que atinge não só os ônibus, mas também o metrô”. “Além de encarar os perigos diários de assalto e acidente, a gente também tem que lidar com a insegurança de andar nesses meios de transportes sem a garantia de proteção contra a Covid-19 e outras doenças, tal como a gripe e varíola dos macacos, que já chegou na cidade. Me sinto completamente inseguro com isso".

A promotora à frente do caso, Rita Tourinho, afirma que o último relatório trimestral entregue pela Semob mostrava que as medidas estavam sendo respeitadas. Porém, ela informa que o relatório de prestações de contas do acordo judicial entre as partes, que deveria ter sido entregue em julho, ainda não foi enviado. 

Mas fala que o MP já enviou ofício cobrando o documento. “O que mais preocupa o Ministério Público, pelo cenário atual da Covid-19 é o compromisso do aumento da frota de ônibus no horário de pico. Isso vai continuar sendo cobrado”.

Por meio de nota, a Secretaria de Mobilidade (Semob) informa que todas as ações acordadas junto ao Ministério Público buscando reduzir as infecções por Covid-19 no transporte coletivo de Salvador permanecem sendo cumpridas pela pasta. “A frota de ônibus já se encontra ajustada em 100% nos horários de pico da manhã e da tarde, e atualmente conta com 1.878 veículos disponíveis. Além disso, toda a frota permanece sendo higienizada diariamente para garantir a limpeza dos veículos”, diz o documento.

Além disso, a pasta informa que uma ação de distribuição de material educativo também foi realizada nas estações de transbordo, orientando os usuários sobre medidas de segurança contra a Covid-19.  

“A Semob reitera que permanece comprometida com as ações acordadas com o intuito de reduzir as contaminações nos coletivos da cidade, até que a situação seja considerada segura pela comunidade de saúde pública”, afirma.

Para o diretor de comunicação do Sindicato dos Rodoviários da Bahia, Daniel Mota, a prefeitura deve também investir em campanha que leve conscientização aos usuários de que a pandemia ainda não acabou. 

“Vejo um avanço gradual na implementação dessas medidas, a limpeza dos carros e aumento das frotas estão ocorrendo de forma progressiva, dependendo da demanda, por exemplo”, fala.

“Porém, acho que a população tem um papel importante para evitarmos o avanço da doença em transportes públicos, isso não é só dever do poder público. Com o avanço da vacinação, percebemos que a própria população tem se descuidado. Nós é que deveríamos estar mais preocupados com essa situação, com o nosso próprio cuidado. Para evitar o aumento de casos nos ônibus, temos que contar com o apoio de todos, mexer no conjunto da obra”, diz.

*Sob a supervisão do jornalista Fábio Bittencourt

Publicações relacionadas