adblock ativo

Corpo de Lomanto Jr será enterrado em Jequié nesta quarta

Publicado terça-feira, 24 de novembro de 2015 às 23:01 h | Atualizado em 24/11/2015, 22:37 | Autor: Patrícia França e Biaggio Talento
Velório de Lomanto Junior
Velório de Lomanto Junior -
adblock ativo

O enterro do ex-governador da Bahia Antonio Lomanto Júnior, morto na última segunda-feira aos 90 anos, será realizado nesta quarta-feira, 25, às 17 horas, no Cemitério São João Batista, em Jequié, sua cidade natal. Antes do enterro, o corpo será velado na Catedral de Santo Antônio.

O corpo do ex-governador também foi velado, nesta terça 24, no Palácio da Aclamação, em Salvador, reunindo familiares, amigos, admiradores e parlamentares de várias correntes partidárias.

Eles foram prestar a última homenagem ao político que se elegeu governador em 1962, aos 37 anos. Lomanto tinha como slogan de governo "estou aqui para servir e não ser servido" - lema lembrado por vários dos presentes, para destacar o caráter ético e íntegro do político nos seus 60 anos de vida pública.

Autoridades

A missa de corpo presente no Palácio da Aclamação, celebrada às 18 horas pelo padre Luis Simões, da Paróquia da Vitória, contou com a presença do governador Rui Costa (PT), que decretou três dias de luto no Estado, e dos ex-governadores Waldir Pires, vereador do PT, e Paulo Souto (DEM), secretário da Fazenda de Salvador.

O prefeito ACM Neto (DEM), ao lado do pai, o ex-senador Antonio Carlos Magalhães Júnior (DEM), também se despediram do amigo. Pela manhã, o ex-governador Roberto Santos (PSDB) compareceu ao palácio, onde Lomanto morou nos dois primeiros anos de governo até se mudar com a família para o Palácio de Ondina - construído sob inspiração da mulher, dona Hildete, hoje com 91 anos.

"É muita emoção velar meu pai na casa onde ele morou", disse emocionado o filho Antonio Lomanto Neto, que destacou no velório a relação do pai com Waldir Pires como exemplo a ser seguido pelos políticos das novas gerações.

"Durante 60 anos de vida pública Waldir e meu pai sempre foram adversários políticos, nunca estiveram em lados em iguais, mas sempre mantiveram uma relação cordial e respeitosa", assinalou Lomanto Neto.

Waldir Pires falou das divergências políticas, mas destacou que na defesa do municipalismo, marca política de Lomanto, eles convergiam plenamente.

Representante da terceira geração de políticos da família Lomanto, o deputado estadual Leur Lomanto Júnior (PMDB) destacou legado deixado pelo avô nos vários cargos públicos que ocupou. "Foi um homem que só fez o bem, utilizou a política para servir os que mais precisavam, fazer o bem coletivo", disse.

O governador Rui Costa destacou a atuação de Lomanto  como defensor do municipalismo. Paulo Souto lembrou do político, com quem teve o prazer de conviver quando ele ela governador e Lomanto prefeito de Jequié.

Formado em Odontologia,  Lomanto iniciou  carreira política aos 22 anos elegendo-se vereador em Jequié em 1947. Quatro anos depois assumia a  prefeitura no município, já ligado ao governador Otávio Mangabeira, (que comandou o estado entre 1947 e 51) liberal histórico, lendário por sua oposição a Getúlio Vargas.

adblock ativo

Publicações relacionadas