adblock ativo

Empresas de estacionamento loteiam as calçadas de Salvador

Publicado quarta-feira, 30 de setembro de 2009 às 01:49 h | Atualizado em 30/09/2009, 09:41 | Autor: Hieros Vasconcenlos e Helga Cirino, do A TARDE
adblock ativo

>> Voce conhece outras áreas públicas de Salvador utilizados por empresas privadas como estacionamento? Envie fotos ou vídeos

Blitzes realizadas por agentes da Superintendência de Trânsito e Tráfego de Salvador (Transalvador), no último sábado, no bairro do Rio Vermelho, levantaram questionamentos de vários motoristas sobre os critérios utilizados nas ações de fiscalização para a aplicação de multas.

“Calçadas estão sendo usadas como pontos comerciais para empresas de estacionamento com a conivência de agentes”, denunciaram motoristas que viram seus carros serem multados na Rua Guedes Cabral, entre o Teatro do Sesi e o restaurante Cheiro de Pizza, no último sábado, por volta das 23 horas. O que mais revoltou os motoristas foi que na mesma área, do outro lado da rua, manobristas da empresa Master Park ocupavam tranquilamente a calçada com carros de clientes dispostos a pagar pelo serviço.

O assessor de comunicação da Secretaria de Transportes e Infraestrutura do Município (Setin), Waldomiro Júnior, negou terem sido notificados somente os motoristas de um lado da pista. No entanto, o supervisor da Master Park, Luís Eduardo de Oliveira, informou que, na noite das blitzes, apenas um veículo que estava sob a supervisão da empresa foi multado no local.

O supervisor da Master Park revelou também não ter autorização da prefeitura para estacionar automóveis em calçadas da cidade e disse que a empresa que representa aluga espaços no bairro do Rio Vermelho, mas, “quando lotam, recorremos às calçadas, deixando espaço para os pedestres”, como salientou.

Ainda segundo Luís Eduardo de Oliveira, quando um automóvel sob a guarda da Master Park é notificado, a empresa arca com o valor da multa, como foi o caso do caso único ocorrido no sábado.

A ação no Rio Vermelho revoltou vários motoristas, que denunciaram o que consideram excessos praticados por agentes da Transalvador.

Sem identificação - “Os fiscais não se identificaram ao notificar os motoristas e trocaram os modelos de automóveis”, reclamou o dono de um veículo, que pediu para não ter o nome revelado. Ele, que estava com o seu carro estacionado na área, recebeu multa de R$ 127,69.  O motorista em questão possui um veículo Fiat Siena e a multa foi registrada como seu carro fosse um Palio.

A presidente da Associação dos Servidores em Transportes e Trânsito do Município (Astram),  Mércia Arruti, alertou os condutores que são multados a não esperarem a notificação da ocorrência chegar a sua casa para só depois recorrer dela. Ela explica que, antes, as multas eram enviadas via aviso de recebimento (AR) e agora passaram a ser mandadas pela Transalvador via postagem geral. “Assim, muitas notificações estão chegando depois do prazo do recurso”, denunciou  a presidente da Astram.

Valores - O valor total arrecadado com as multas na capital baiana é uma incógnita. A prefeitura não aceita divulgar esse montante. Mas as cifras, sabe-se, são vultosas.

A menor multa aplicada pela Transalvador tem o valor de R$ 53,20. Fossem todas as 289.939 multas aplicadas este ano em Salvador, de janeiro a agosto, desta categoria, chegaríamos ao valor de R$ 15,42 milhões. Mas se, para efeito de comparação, o mesmo número de multas fosse da categoria mais alta, que tem o valor unitário de R$ 574,62, a Prefeitura teria arrecadado no mesmo período do ano a quantia de R$ 166,6 milhões. Pela média, a Prefeitura teria arrecadado em Salvador este ano, de janeiro a agosto, através de multas a veículos, algo em torno de R$ 91 milhões.

A soma das multas do ano passado com as aplicadas de janeiro a agosto de 2009 resulta em 643.923 procedimentos. A frota atual de Salvador é de 649 mil veículos. Dá quase uma multa por carro.

adblock ativo

Publicações relacionadas