adblock ativo

Funcionários dos Correios param por 24 horas

Publicado quinta-feira, 23 de agosto de 2007 às 15:44 h | Atualizado em 23/08/2007, 15:44 | Autor: Kleyzer Seixas, A Tarde On Line
adblock ativo

Os funcionários da empresa de Correios e Telégrafos da Bahia aderiram à paralisação nacional e suspenderam as atividades nesta quinta-feira, 23, por 24 horas, após deliberação do Conselho de Representantes da categoria. Mais de 4 mil funcionários cruzaram os braços na Bahia e interromperam todas as operações internas de triagem de objetos, envio e recebimento de Sedex e a entrega de correspondências, segundo sindicalistas.

Em Salvador, os trabalhadores se reuniram na agência dos Correios do bairro da Pituba para reivindicar melhorias trabalhistas. Dentre elas, estão a contratação de pessoal e o reajuste salarial de 47,77%. O contrato de novos funcionários é, segundo uma das comandantes de negociação, Ana Nery, é um dos grandes problemas enfrentados pelas pessoas que trabalham atualmente nos Correios.

A empresa aumentou o número de contratos nos últimos anos, o que elevou o número de entregas de três bilhões para nove bilhões e todo o território nacional, conforme relatou Ana Nery. Muitas faturas acabam chegando as residências com atraso por conta do déficit de empregados, de acordo com a comandante de negociações.

“Há um déficit histórico de trabalhadores nos últimos 20 anos. eles não contratam na mesma proporção em que as pessoas ficam doentes e se encostam pelo INSS, que é bem grande, ou então se aposentam. Além disso, as entregas aumentaram consideravelmente e a população também cresceu bastante nos últimos anos”, destaca Ana Nery.

Outro pedido considerado importante para a categoria é o aumento salarial. De acordo com Ana Nery a categoria teve perdas salariais nos governos anteriores à gestão do presidente Lula. “Podemos afirmar que desde que Itamar Franco até FHC tivemos muitas perdas referentes aos nossos rendimentos”.

Em reunião realizada com um representante ECT no mês de julho, os dirigentes dos sindicatos reivindicaram o reajuste de 47,77%, mas a empresa ofereceu, segundo Ana Nery, 3,74% de aumento. Os dirigentes do sindicato rejeitaram a contraproposta dos Correios e decidiram, então, suspender as atividades por 24 horas.

Além do reajuste de salário e da contratação de pessoal, os trabalhadores da ECT pedem ainda melhores condições de trabalho, segurança nas agências, aumento real de R$ 200,00 e a entrega de correspondência pela manhã. Segundo a dirigente da categoria, as encomendas têm sido distribuídas pela tarde por causa do intenso ritmo de trabalho.

Procurada pela reportagem, a assessoria dos Correios informou que foi oferecido um reajuste de 3,74% a todos os cerca de 110 mil funcionários de todo o país. A assessoria não soube informar se a ECT tentará renegociar. Sobre as atividades, a empresa afirmou que todas as agências estavam funcionando. Em algumas delas, no entanto, o efetivo foi menor.

adblock ativo

Publicações relacionadas