Policiais envolvidos na ação em Paraisópolis são afastados

Publicado segunda-feira, 02 de dezembro de 2019 às 19:51 h | Atualizado em 02/12/2019, 20:21 | Autor: Da Redação

Policiais militares envolvidos na ação do domingo, 1, em Paraisópolis, São Paulo, foram afastados do trabalho na rua nesta segunda-feira, 2. A ocorrência resultou na morte de nove pessoas pisoteadas, entre as quais, quatro adolescentes, em um baile funk.

Em entrevista coletiva realizada no domingo, 1, o porta-voz da PM, tenente-coronel Emerson Massera afirmou que ao todo, 38 policiais participaram da ação. Destes, seis já foram confirmados, porém a Corregedoria do órgão ainda deve analisar quais outros agentes serão afastados. 

De acordo com boletim registrado no 89° DP (Portal do Morumbi), as mortes são investigadas como suspeitas de acidente e não como decorrente de intervenção policial. Conforme consta no boletim, um grupo de policiais em motos foi atacado por dois homens em uma moto, que atiraram contra o comboio.

A partir daí, a perseguição teria chegado até o local onde ocorria o baile funk. Lá, os policiais afirmaram ter sido hostilizados pelo público, e que por isso, o "uso moderado da força" foi necessário, através de cassetete e munição química para dispersar a multidão. Neste momento, pessoas fugiram e foram pisoteadas, segundo os policiais.

Moradores no entanto, afirmam que a polícia entrou na comunidade e fechou as esquinas da Rua Ernest Renan com a Rua Herbert Spencer e Rodolf Lotze. Logo após, eles teriam atirado bombas de gás, balas de borracha e garrafas, além de usar cassetetes e sprays de pimenta na multidão. Muitos jovens entraram em vielas e foram pisoteados.

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo investiga o caso.

Publicações relacionadas