Nas Olímpiadas realizadas após a I Guerra, o goleiro Mangangá foi destaque da equipe brasileira de polo

Publicado sexta-feira, 11 de junho de 2021 às 16:16 h | Atualizado em 11/06/2021, 17:11 | Autor: Cleidiana Ramos

Criadas para ser uma oportunidade de confraternização das nações, as Olimpíadas começaram a sua trajetória no século XX com cancelamentos de edições devido, ironicamente, a conflitos entre elas. As duas grandes guerras mundiais (1914-1918 e 1939-1935) impediram edições da disputa olímpica. Assim os jogos de 1916, 1940 e 1944 não foram realizados.

Tanto que A TARDE, fundada em 1912 só iniciou a cobertura dos jogos olímpicos em 1920, quando eles foram realizados em Antuérpia na Bélgica. Essa edição foi a primeira a contar com uma delegação de atletas brasileiros.  

Na cobertura de A TARDE o destaque maior ficou para os jogos aquáticos.  Embora não tenha conseguido nenhuma medalha, a equipe brasileira de polo nessa modalidade conquistou admiração pela sua performance, quando, por exemplo, venceu a França por 5X1.

Na edição de 26 de agosto de 1920, A TARDE destacou a qualidade de jogo da equipe que, mesmo perdendo para a Suécia por 7X3, e sem a sua estrela, Jorio, que estava machucado, encantou a torcida. Um dos destaques da partida foi o goleiro Mangangá que teve a foto publicada na capa do jornal.

Imagem ilustrativa da imagem Nas Olímpiadas realizadas após a I Guerra, o goleiro Mangangá foi destaque da equipe brasileira de polo
Os esportes aquáticos mobilizavam atenções durante as Olimpíadas, como o polo de Mangangá

Mangangá, nome para um inseto parecido à abelha usado em algumas regiões brasileiras, como o sertão da Bahia, foi chamado de keeper em A TARDE assim como o time brasileiro era denominado team. No período, a descrição dos esportes aquáticos usava palavras inglesas misturadas ao português para a descrição dos jogos. O resultado das partida , por exemplo, era score. Além de Mangangá, outro atleta da equipe ficou conhecido pelo apelido: Chocolate. O time contava também com Jorio, Orlando, Abrahão, Alcides e Angelo.   

As Olímpiadas de Tóquio, marcadas para começar no próximo dia 23 de julho serão as primeiras resultantes de adiamento devido a uma pandemia. Embora o comitê gestor confirme a realização há quem ainda lance dúvidas devido à disparidade no controle do coronavírus entre os países. É aguardar para ver.

Amanhã na versão de A TARDE Memória para o jornal A TARDE tem mais detalhes dessa tumultuada trajetória das Olímpiadas. A TARDE Memoria tem histórias construídas a partir do material que forma o acervo do Cedoc A TARDE. Além de estar no jornal e nesta versão online tem ainda o formato em áudio, às sextas-feiras, em A TARDE FM.  

Publicações relacionadas