Fábricas interrompem produção em vários estados

Publicado quarta-feira, 24 de março de 2021 às 06:08 h | Atualizado em 23/03/2021, 22:49 | Autor: [email protected]

O agravamento da pandemia e a falta de componentes são pedras no meio do caminho da indústria automotiva. A Volkswagen do Brasil vai paralisar a produção em todas as suas quatro fábricas brasileiras por 12 dias corridos, a partir de hoje (24), até 4 de abril. 

Um comunicado da empresa justifica: “Com o agravamento do número de casos da pandemia e o aumento da taxa de ocupação dos leitos de UTI nos estados brasileiros, a empresa adota esta medida, a fim de preservar a saúde de seus empregados e familiares”. As atividades essenciais nas fábricas serão mantidas e os empregados das áreas administrativas vão trabalhar remotamente.

Cerca de 13 mil empregados da Volks serão afastados de suas atividades nas fábricas paulistas em São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos, e no Paraná, em São José dos Pinhais.

Em nota oficial, a Mercedes-Benz do Brasil informou ontem que também irá interromper as atividades produtivas das fábricas de veículos comerciais de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG) na sexta (26), com retorno previsto para 5 de abril.

O objetivo é contribuir com a redução de circulação de pessoas neste momento crítico no país, administrar a dificuldade de abastecimento de peças e componentes na cadeia de suprimentos, além de atender a antecipação de feriados por parte das autoridades municipais, explica a nota.

Os colaboradores administrativos, por sua vez, continuarão trabalhando em regime de home office. Ao todo, a Companhia emprega cerca de 10 mil profissionais no Brasil.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC tem pressionado a Anfavea, associação dos fabricantes, e o Sindipeças (fabricantes de peças), para que novas fábricas paralisem as atividades. A General Motors, que já havia anunciado suspensão da linha do Onix em Gravataí (RS) por este mês, estenderá o prazo até junho, em função da falta de componentes, em especial eletrônicos. A normalização só é esperada para julho. Já a Volvo anunciou que reduzirá a produção de caminhões em 70% na planta em Curitiba, por falta de peças, principalmente os semicondutores.

Publicações relacionadas