Tudo indica, Carnaval em 2022 é um papo se esvaindo. Não vai dar

Publicado sexta-feira, 03 de dezembro de 2021 às 06:03 h | Atualizado em 02/12/2021, 22:36 | Autor: [email protected]

Ômicron. Eis o nome da maldição da vez. O que será que virá com ela, terá o mesmo perfil da variante Delta, que provocou imenso alarido e não causou mais que isso, ou vai ser o descendente do corona que vai quebrar o efeito da vacina e adubar a pandemia?

É exatamente essa incerteza que dificulta a tomada de tais decisões, já complicadas com as más notícias vindas da Europa, agora carimbadas com a Ômicron.

Cláudio Tinôco (DEM), presidente da Comissão da Retomada de Eventos da Câmara de Salvador, deve apresentar terça o relatório após ouvir todos os segmentos, mas admite, está ruim:

— O clima não é lá muito animador. A Ômicron vai ser como a Delta? Acho que sim, mas ninguém tem certeza.

Opinião Pública — Até ontem, 15 capitais já haviam cancelado o Réveillon, Salvador inclusa. São Paulo foi a última a anunciar. E Tinôco lembra que tem outro agravante:

— Eu conversei com o pessoal lá de São Paulo e me mostraram uma pesquisa em que 70% da população é contra. Com o povo reagindo assim, fica muito difícil.

Três semanas atrás, a pressão para marcar as discussões entre governo e os atores da organização da folia foi intensa, mas Rui Costa resistiu e ao que parece, estava certo.

Apesar disso, nos quatro cantos de Salvador de domingo a domingo o cenário é de absoluta normalidade. O perigo vem de fora.

Paulo Cézar, tudo ou nada

Duas vezes vereador de Alagoinhas, duas vezes prefeito e duas vezes deputado estadual, Paulo Cézar (DEM), que em 2018 tentou se eleger deputado, não conseguiu e ano passado perdeu para prefeito, estava ontem na festa de ACM Neto dizendo que é candidato:

— Mas já avisei tanto a Neto quanto ao deputado Paulo Azi: só vou para ganhar.

Se for, em Alagoinhas vai duelar com Ludmilla Fiscina, esposa do prefeito Joaquim Neto (PSD), que o derrotou.

O PL ainda no Neto ou Roma

José Carlos Araújo, ex-deputado e presidente do PL na Bahia, agora o partido de Bolsonaro, estava ontem na festa de ACM Neto, mas o apoio que antes era explícito – o partido chegou a romper com Rui Costa para ficar com ele – agora é discreto.

Zé Carlos, que é candidato a deputado federal, achou a chegada de Bolsonaro uma boa, mas sobre como fica o apoio a Neto, não quis falar. ‘Precisamos avaliar isso muito bem’.

Marquinho na espreita

O deputado Marquinho Viana, que ao lado de Fabíola Mansur, Angelo Almeida e Marcelinho Veiga compõe a bancada do PSB na Assembleia, admite que está no time dos que avaliam a melhor alternativa partidária para encarar 2022.

O PSB, que tem como federais Lídice da Mata e Marcelo Nilo, discute se unir numa federação com o PT e pelo conjunto das circunstâncias, Marquinho diz que o melhor é esperar:

— Decisão só em março.

Paraná mostra o desafio de Neto: Lula e Bolsonaro

No dia em que ACM Neto botou o pé na estrada, o Instituto Paraná divulgou pesquisa mostrando exatamente o imbróglio da disputa que o anima: nome por nome, tem 54,8%, contra 23,1 de Jaques Wagner e 3,9 de João Roma.

Mas quando é feita a pergunta incluindo as conexões federais de Neto com Sérgio Moro (o que melhor pontua), Wagner com Lula e Roma com Bolsonaro, o jogo muda totalmente.

Dá Wagner 36,8%, Neto 36,6 (empate) e Roma 13,6, números bastante assemelhados aos da última pesquisa do próprio Paraná, divulgada no início de agosto.

Aliados dizem que o melhor dos mundos para Neto seria surgir uma terceira via competitiva. Se não, vai evitar bater.

REGISTROS

Emiliano no prelo

O jornalista Emiliano José, que desde março é membro da Academia de Letras da Bahia (ALB), lança dia 11, o sábado da semana que vem (17h), Os comunistas estão chegando, segundo e-book e 17º título da carreira literária dele. O lançamento será pelo canal Youtube do também escritor Franciel Cruz. Fala das diabruras da ditadura nos jornais.

Com o nosso

Marivaldo dos Anjos (PSD), vereador em Ilhéus, virou sensação nas redes. Recebeu R$ 3 mil de diárias da Câmara. O que causou espanto foi o motivo: participação no lançamento da pré-candidatura de ACM Neto.

Direto para BH

A Azul anunciou: a partir de 6 de março vai realizar voos diários de Guanambi, no sudoeste baiano, para Belo Horizonte. A distância de lá para Salvador é de 675 km, para a capital mineira é de 646. Mas o pessoal do sudoeste prefere Minas.

Mais ou menos

Se se pergunta em São Félix como está a estrada até Maragogipe a resposta é padrão: ‘Mais ou menos’. O ‘mais’ fica por conta da buraqueira até Nagé. O ‘menos’, é que estão tapando buracos, muito pouco para o que já prometeram.

Publicações relacionadas