adblock ativo

Orientações de vacinação para crianças são apresentadas à CIB

População estimada para receber o imunizante da Pfizer em Salvador é de 355.637

Publicado sexta-feira, 14 de janeiro de 2022 às 16:39 h | Atualizado em 14/01/2022, 16:41 | Autor: Da Redação
Documento estabelece diretrizes informadas pela Anvisa
Documento estabelece diretrizes informadas pela Anvisa -
adblock ativo

Foi apresentado à Comissão Intergestores Bipartite (CIB), nesta sexta-feira, 14, em Salvador, o Plano Operacional da Anvisa para a aplicação da vacina Pfizer, contra a Covid-19, em crianças de 5 a 11 anos. Segundo o Governo do Estado, a população estimada para receber o imunizante na capital baiana é de 355.637.

Uma das recomendações da Anvisa é que a vacinação de crianças seja realizada em ambiente específico, separado da vacinação de adultos, e quando ocorra nas comunidades isoladas, como por exemplo nas aldeias indígenas, sempre que possível, que a imunização das crianças deve ser feita em dias separados, não coincidentes com a vacinação de adultos.

Ainda conforme o documento, a sala em que será aplicada a vacina contra a Covid-19, em crianças de 5 a 11 anos, deve ser exclusiva para a aplicação dessa vacina, não sendo aproveitada para a aplicação de outras vacinas. Além disso, a vacina Covid-19 não deve ser administrada de forma concomitante a outras vacinas do calendário infantil, por precaução, sendo recomendado um intervalo de 15 dias.

Também deve ser evitada a modalidade de drive thru. As crianças devem permanecer no local da vacinação por pelo menos 20 minutos após a aplicação para que sejam observadas durante esse breve período. No entanto, o estado não vai exigir o termo de autorização, recomendado pelo Ministério da Saúde para vacinação das crianças de 5 a 11 anos, quando a criança estiver acompanhada do pai, mãe ou responsável legal.

“Só será necessário um mecanismo de comprovação, um documento, de que é o responsável”, explica a secretária da Saúde, Tereza Paim. No caso da ausência de pais ou responsáveis, a vacinação deverá ser autorizada em termo de consentimento por escrito.

Os pais ou responsáveis devem ser informados, antes da aplicação do imunizante sobre os principais sintomas locais esperados, como dor, inchaço e vermelhidão no local da injeção, e sistêmico, como febre, fadiga, dor de cabeça, calafrios, mialgia.

A imunização das crianças com idade entre 5 a 11 anos será por ordem regressiva – 11, 10, 9, 8, 7, 6 e 5. As crianças com deficiência permanente ou com comorbidades (comprovação mediante relatório médico ou cadastro/avaliação do serviço de saúde), todas as crianças indígenas e quilombolas da faixa etária de 5 a 11 anos, todas as crianças institucionalizadas e em situação de rua (faixa etária de 5 a 11 anos) e todas as crianças em abrigos devido a situação das enchentes.

Ainda conforme o governo do estado, a vacinação das crianças será iniciada após treinamento completo das equipes de saúde, visto que a maioria dos eventos adversos pós-vacinação é decorrente da administração do produto errado à faixa etária, da dose inadequada e da preparação errônea do produto. 

Os profissionais de saúde, antes de aplicar a vacina, devem mostrar ao responsável que acompanha a criança que se trata da vacina contra a Covid-19, frasco na cor laranja, cuja dose de 0,2ml, contendo 10 mcg da vacina contra a Covid-19, Comirnaty (Pfizer/Wyeth), específica para crianças entre 5 a 11 anos.

As crianças que completarem 12 anos entre a primeira e a segunda dose devem permanecer com a dose pediátrica da vacina.

adblock ativo

Publicações relacionadas