Presidente da CPI da Pandemia afirma que lista de investigados irá aumentar

Publicado domingo, 20 de junho de 2021 às 15:48 h | Atualizado em 20/06/2021, 15:50 | Autor: Redação

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou neste domingo, 20, que a lista de investigados da CPI deverá aumentar nos próximos dias.

Na última sexta, 18, a lista com 14 nomes que passarão da condição de testemunhas para investigados na comissão, incluindo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi divulgada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI.

"Tem muito mais gente que não foi ouvida que ainda entrará nesse rol de investigados. Ontem o Supremo decidiu isso, a procuradoria tem que dar prioridade para a investigação da CPI, para não morrer nas gavetas. A demora na compra da vacina, nós teríamos 130 milhões de vacinas em dezembro do ano passado, 70 milhões da Pfizer e 60 milhões do Butantan, o Brasil não comprou porque não quis", afirmou Aziz durante entrevista à CNN.

Na próxima terça-feira, 22, a CPI retoma os trabalhos com o depoimento do ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra (MBD-RS). De acordo com Aziz, a oitiva terá foco em declarações prévias de Terra sobre a pandemia.

"O deputado Osmar Terra tem muito a explicar, você vê as declarações desde o início da pandemia. Todas as previsões foram erradas e ele passou informações completamente equivocadas, como a de imunidade de rebanho. Esse pessoal é que estava fazendo a política sanitária brasileira, que estavam cuidando de salvar ou não vidas", apontou.

Aziz disse ainda que a médica oncologista Nise Yamaguchi, que inclusive entrou com processo por danos morais contra ele e o senador Otto Alencar (PSD-BA), deverá ser convocada novamente.

"Ela diz que fui passivo, não fiz nada para defendê-la. A CPI já detectou, ela disse que fez três viagens a Brasília, foram 13, das quais oito ela pagou com dinheiro vivo. Ela tem muito mais a explicar do que eu. Eu sou presidente de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, meu comportamento é igual com todos, não há diferença para mim".

Publicações relacionadas