Programa de entrevistas 'Por Acaso' desembarca em Salvador

De hoje a 01 de abril, 12 artistas baianos gravarão seis episódios inéditos no terraço da Casa Rosa

Publicado domingo, 27 de março de 2022 às 16:44 h | Atualizado em 27/03/2022, 16:45 | Autor: Eugênio Afonso
Hoje, às 17h, Ivete Sangalo e Márcio Victor abrem a temporada do programa na Casa Rosa
Hoje, às 17h, Ivete Sangalo e Márcio Victor abrem a temporada do programa na Casa Rosa -

O empresário, diretor de marketing, cantor e apresentador de TV gaúcho José Maurício Machline, 65, idealizador do Prêmio Sharp de Teatro e do Prêmio da Música Brasileira, duas das mais importantes premiações da cena cultural do país, traz agora a Salvador seu programa de entrevistas Por Acaso.

De hoje a 01 de abril, 12 artistas baianos gravarão seis episódios inéditos, em horários variados, no terraço da Casa Rosa (Rio Vermelho), para o programa musical que tem como uma das principais marcas proporcionar encontros inusitados entre todas as vertentes da música.

“Receber essa edição especial com artistas baianos consagrados e da nova geração é um presente. Temos certeza que nesses encontros, público e fãs irão se deliciar com excelentes histórias. A gente se interessa pelas questões ligadas à diversidade e ancestralidade musicais. Teremos uma troca de saberes entre artistas baianos de várias gerações”, conta Rose Lima, curadora artística da Casa Rosa.

E já no clima do programa, Zé Maurício revela ser um homem de sorte por ter tido ninguém menos do que Dorival Caymmi como primeiro entrevistado na carreira. O produtor acredita que a Bahia é um celeiro importantíssimo da música brasileira. 

“Neste momento, percebemos movimentos muito consistentes em  ritmos variados, e quero mostrar essa variedade importante da música dentro de seu universo com tudo que a Bahia pode oferecer”, destaca Machline, considerado o mais carioca dos gaúchos.

Revelações

A grade de atrações do programa vai da musa do carnaval à voz da Bahia e fica definida assim: hoje, dia 28, às 17h, tem Ivete Sangalo com Márcio Victor, amanhã, 29, às 20h, é a vez de Margareth Menezes e Filipe Escandurras, dia 30, às 20h, tem dueto com ÀTTOOXXÁ e Hiran, dia 31, às 17h, participam Daniela Mercury e Illy, e às 21h, Nessa e Afrobapho. Para encerrar, dia 01, às 20h, Larissa Luz e Lazzo Matumbi ocupam o palco.

É importante deixar claro que nos dias de gravação de Ivete Sangalo e Daniela Mercury, a plateia será formada somente por convidados. Nos outros dias, os encontros serão abertos ao público e os ingressos - R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia) - podem ser adquiridos no Sympla.

A escolha dos participantes, segundo Machline, partiu da premissa de que fossem artistas especiais, e que os mais novos, ao lado dos consagrados, pudessem mostrar talento e diversidade.

“São músicas e ritmos que me interessam, e movimentos musicais com uma expressão social e cultural significativa, como ÀTTOOXXÁ e Afrobapho. A importância de Ivete, Margareth, Lazzo e Daniela é indiscutível. Ainda tem a sonoridade nova e especial nas vozes de Illy e Larissa Luz”.

Descontração

Criado na década de 1990 e recriado em 2016, o Por Acaso é conhecido por proporcionar um bate-papo descontraído com artistas de renome local e nacional da música brasileira. O intuito é mesclar gerações, ritmos, diversidade e boas histórias. 

Para o rapper Hiran, que se apresenta com o pessoal do ÀTTOOXXÁ na quarta-feira, o programa é uma janela para falar de música. “Fico feliz de fazer parte levando um gostinho diferente do agreste baiano para o centro. Amo muito esses meninos (do ÀTTOOXXÁ). Sempre bom estar com eles. A gente até já ganhou um prêmio pela apresentação no Afropunk”. 

E com sua expertise à frente das 29 edições do Prêmio da Música Brasileira, Machline comanda a atração. 

Tido como um dos mais incansáveis incentivadores da música brasileira, ele diz que a ideia central do programa é sair do lugar-comum, promover encontros interessantes entre músicos com a mesma linguagem, entremeando a conversa com números musicais que fujam do repertório clássico dos participantes.

“Temos feito vários encontros em que os artistas não se conheciam e que rolou uma química maravilhosa. Sou um apaixonado, um adicto irrecuperável pela música. Sei de todas as dificuldades que um artista enfrenta para poder mostrar seu talento, e se eu puder, de alguma maneira, ajudar nesse processo, é o que me interessa. As emoções que a música me proporciona talvez sejam a mola propulsora da minha existência”, conclui um apaixonado Machline.

Para assistir às gravações, o certificado de vacinação será cobrado na entrada.

E ao longo do ano, o Por Acaso, que agora é itinerante, terá temporadas especiais em diversos estados brasileiros. Zé Maurício pretende gravar em São Paulo, Pernambuco, Pará e Minas Gerais.

Por Acaso / 28 de março a 01 de abril / Casa Rosa (Praça Colombo, 106 - Rio Vermelho) / R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia)

Publicações relacionadas