adblock ativo

Exportações de ovos em 2015 devem crescer 70% ante 2014, diz ABPA

Publicado quarta-feira, 09 de dezembro de 2015 às 12:50 h | Atualizado em 19/11/2021, 07:10 | Autor: Camila Turtelli | Estadão Conteúdo
adblock ativo

O Brasil deve fechar 2015 com exportações de 20,7 mil toneladas de ovos (in natura e processados), volume 70% superior ao de 2014, quando os embarques para o mercado externo somaram 12,2 mil toneladas. A receita esperada em reais é de R$ 90 milhões (+ 120%) e em dólares, de US$ 26 milhões (+54%). Nesta quarta-feira, 9, em coletiva com jornalistas, o presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, afirmou que neste ano o setor conquistou o mercado japonês, um dos mais exigentes do mundo, o que impulsionou os embarques.

Para 2016, os exportadores de ovos preveem níveis equivalentes aos embarcados neste ano. Conforme a ABPA, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos deverão manter o fluxo de negócios do segmento.

O volume esperado de produção de ovos neste ano é de 39,5 bilhões de unidades, 6,1% acima das 37,2 bilhões de unidades registradas no ano passado. Em saldo recorde, o consumo per capita de ovos no Brasil deverá chegar neste ano a 191 unidades, número 4,8% superior ao total de 2014, que foi de 182 unidades. Para o próximo ano, o setor produtor de ovos prevê crescimento de até 2% na produção total.

Carne de peru

A produção brasileira de carne de peru deverá alcançar 329 mil toneladas em 2015, praticamente estável em relação a 2014, com avanço de 0,1%, informou ABPA. O volume de exportações do produto deve atingir neste ano 133 mil toneladas, 6,3% acima do registrado em 2014. Com isso, o setor deverá obter receita de R$ 950 milhões (+21%), ou de US$ 287 milhões (-13%).

Aves

Com o surto de gripe aviária, que causou a morte de milhares de aves nos Estados Unidos, o país deixa de exportar cerca de 500 mil toneladas da proteína em 2015. Desse espaço deixado pelos norte-americanos, o Brasil conseguiu "capturar" cerca de 100 mil toneladas, segundo o vice-presidente de Aves da Associação Brasileira de Proteína (ABPA), Ricardo Santin.

Em entrevista coletiva a jornalistas, Santin disse que os embarques dos EUA devem recuar perto de 14% este ano por causa da doença. "Esperamos agora que eles tenham se recuperado. Há espaço para todos neste mercado, mas se os EUA voltarem a ter uma quebra, o Brasil estará preparado para atender a demanda."

Segundo Santin, uma das principais vantagens do Brasil no mercado global é seu status sanitário sem nunca ter tido um registro da doença.

adblock ativo

Publicações relacionadas