Valor da produção agrícola baiana cai 1,7% entre 2018 e 2019, aponta IBGE

Publicado quinta-feira, 01 de outubro de 2020 às 10:46 h | Atualizado em 01/10/2020, 10:50 | Autor: Da Redação

Depois de ter registrado o maior crescimento percentual do país, entre 2017 e 2018 (+27,4%), o valor da produção agrícola baiana recuou 1,7% em 2019. Isso fez o estado a perder um pouco de participação no total gerado pela agricultura brasileira, de 5,7% em 2018 para 5,4% em 2019.

Os dados são da pesquisa Produção Agrícola Municipal 2019 (PAM), divulgados nesta quinta-feira, 1º, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar da queda, o estado manteve a sétima colocação entre as unidades da Federação no ranking do valor da produção agrícola nacional, gerando R$ 19,3 bilhões (frente a R$ 19,7 bilhões em 2018).

Foi o segundo maior valor da produção agrícola no estado, em toda a série histórica da PAM, do IBGE, iniciada nos anos 1970. No Brasil como um todo, a agricultura gerou, em 2019, um valor de R$ 361 bilhões, 5,1% a mais do que em 2018 (R$ 343,410 bilhões).

Mato Grosso (R$ 58,4 bilhões, 16,2% do total) passou a liderar o ranking estadual de valor gerado, ultrapassando São Paulo (R$ 55,6 bilhões, 15,4%). Em terceiro lugar, ficou o Rio Grande do Sul (R$ 40,9 bilhões, 11,3%), também superando o Paraná. Os três primeiros estados apresentaram aumentos frente a 2018.

A pesquisa

A PAM investiga 64 produtos em todos os municípios do país, a partir de fontes secundárias de informação (associações de produtores, órgãos públicos e entidades diversas ligadas à agricultura, entre outras). Desses, 45 são cultivados na Bahia, e 16 apresentaram queda no valor de produção entre 2018 e 2019.

Os cereais, leguminosas e oleaginosas, grupo de 15 produtos comumente chamados de grãos, são commodities responsáveis por quase R$ 6 em cada R$ 10 gerados pela agricultura brasileira (58,9% do total, ou R$ 212,6 bilhões) e baiana (58,3% ou R$ 11,3 bilhões).

Foram justamente eles que puxaram a queda do valor da produção agrícola no estado em 2019. Em 2019, o valor da produção baiana de grãos foi de R$ 11,3 bilhões, 7,8% menor que o de 2018 (R$ 12,2 bilhões).

Com isso, o estado caiu da sexta para a sétima posição em termos de participação no valor gerado por esses produtos em todo o país, sendo superado por Mina Gerais. A Bahia respondeu por 5,3% do valor da produção brasileira de grãos, que chegou a R$ 212,6 bilhões em 2019. Um ano antes, respondia por 6,1%.

A produção de soja teve as maiores quedas absolutas na Bahia. O volume colhido recuou 15,8% entre 2018 (6,3 milhões de toneladas) e 2019 (5,3 milhões de toneladas), o que representou menos 997,2 mil toneladas em um ano. Já o valor de produção recuou 16,8%, passando de R$ 7,1 bilhões para R$ 5,9 bilhões, de um ano para o outro (menos R$ 1,2 bilhão).

Houve uma pequena diminuição da área plantada com soja no estado (-1,7%, chegando a 1,6 milhão de hectares), mas o que mais impactou na redução da produção e do valor do grão, entre 2018 e 2019, foi a queda no rendimento médio, que passou de 3.936 kg/hectare para 3.359 kg/hectare (-14,7%). A retração foi influenciada sobretudo por fatores climáticos: falta de chuvas entre dezembro e janeiro e elevadas temperaturas ao final do ciclo da cultura.

A soja tem a maior produção e gera o maior valor da agricultura baiana. O estado é o quinto produtor nacional do grão, respondendo, em 2019, por 4,7% das 114,3 milhões de toneladas colhidas em todo o Brasil.

Publicações relacionadas