Novos negócios surgem do antigo sonho de casar

Publicado domingo, 13 de outubro de 2019 às 10:57 h | Atualizado em 13/10/2019, 15:12 | Autor: Priscila Dórea* | Foto: Ivan Ferreira | Divulgação

Realizar sonhos é o principal trabalho de quem deseja empreender no mercado de casamentos. É o convite que se torna uma lembrança, o vestido de rainha, o doce inesquecível ou a pessoa responsável por fazer tudo sair nos conformes. Até o momento do ‘sim’, muitos são os profissionais necessários para dar vida a um casamento, e saber unir o tradicional ao excepcional é uma das formas de empreender nesse mercado que, só em 2018, de acordo com a Associação Brasileira de Eventos Sociais (Abrafesta), movimentou mais de R$ 17 bilhões.

“Organizar um casamento não é só técnica, é também fazer parte daquele sonho e da vida daquelas pessoas para sempre”, conta Tatiana Calmon, que criou em 2015 a Tati Calmon Assessoria. Procurando fornecedores, solicitando, avaliando e negociando orçamentos, ser um assessor de casamento torna a pessoa responsável por garantir que cada detalhe seja como o casal sonhou, explica a assessora. “A assessoria vai ajudar a definir todos os passos”, acrescenta.

Mas uma ajudinha extra nunca é demais, não é? Foi pensando numa forma de o casal ter sua jornada sem estresse que o evento Casar.com reunirá mais de 50 fornecedores entre os dias 18 e 20 de outubro na Casa Salvatore. Com espaço assinado pelo Discovery Home & Health, o evento contará também com os estilistas Lucas Anderi (Fábrica de Casamentos) e Emanuelle Junqueira (Prova de Noiva).

“O segundo semestre é ideal para o evento, porque conseguimos reunir tanto quem está fechando detalhes para casar este ano quanto quem está na fase de planejamento”, explica Paula Perez Raimo, uma das organizadoras. E os últimos meses do ano são realmente os preferidos para os casórios. De acordo com dados do IBGE, de 2013 a 2017, novembro foi o mês em que ocorreram mais casamentos, e dezembro, o mês com mais registros civis.

Do vestido ao bem-amado

Mas empreender nessa área exige acima de tudo, afirma a designer de moda Rosie Andrade Mariel, amar esse universo. Proprietária do CasaBlanca Noivas, ela explica que esse tipo de empreendimento demanda muita paciência. “Além de dedicação constante, muito trabalho e responsabilidade. Os clientes não têm ideia do que se passa por trás da preparação, mas ainda é o sonho deles”.

Rosie comenta que esse é um ramo muito caro e dispendioso, mas também extremamente satisfatório. “Especialmente no momento em que você vê a noiva entrando na igreja”. Ela ainda conta que uma da principais tendências para 2020 são as mangas “dramáticas”, que são aquelas compridas e bufantes, mas também haverá espaço para as mais discretas, desde que as mangas sejam bem trabalhadas. Ainda assim, o tradicional ainda é muito procurado.

É a coisa do ‘não vou errar’.

“Tem sempre um ou outro casal que quer algo diferente, mas a maioria continua sendo tradicional e fica com o branco e pérola”, explica Taiane Bloisi, que há oito anos está à frente do Atelier de Convites, junto com sua mãe, Jandira Bloisi. Apesar disso, ela diz que o céu é o limite e que já chegou a fazer um convite que era uma caixa, com conchas da praia de Boa Viagem.

Bom exemplo disso são os convites online, ela explica, que acabou não pegando, já que, mesmo com eles, as noivas ainda queriam a versão em papel. A tendência não se renova muito, e os convites diferentes partem de casos bem específicos. “Os com desenho em aquarela, em que a pessoa pode trazer ou nós criamos, têm caído na graça dos noivos. Assim como o de acetato, que é mais barato que o de acrílico e tem um efeito parecido”.

Evento reúne negócios do ramo de casamento

Mudar um pouco aquilo que já é tradicional também é um caminho para quem deseja empreender nessa área. Foi por não gostar do famoso bem-casado que Nani Aragão, usando uma antiga receita que a sua mãe achou na casa de sua avó, lançou o bem-amado. “Já conhecia a receita e pedi que minha mãe fizesse o doce de sequilho para o meu casamento. A responsável pelo meu buffet adorou e sugeriu que eu investisse”, conta Nani.

A Sabores e Encantos (@saboreseencantos) foi criada em 2015, mas só dois anos depois Nani saiu do seu emprego de 10 anos como bancária para investir exclusivamente na empresa. “Atendemos atualmente apenas sob encomenda, fornecendo principalmente para casamentos, aniversários e lembrancinhas em geral. Tudo é feito tendo como base os sequilhos, e é uma empresa familiar e todo mundo em casa ajuda”, ela conta.

Por mais que seja clichê, Nani afirma que o que a faz ficar no negócio é o amor. “É você gostar e ajudar na construção de um sonho. Tanto que, quando organizei o meu casamento em 2014, foi quando vi a oportunidade, de alguma forma, de continuar a ajudar a realizar os sonhos de outras pessoas. É preciso pensar em ver o outro feliz com o seu trabalho, não apenas trocar um produto pelo dinheiro”.

*Sob a supervisão da editora Cassandra Barteló

Publicações relacionadas