Com show de Debinha, Brasil goleia Venezuela e se classifica às semis

Último duelo será contra o Peru, que ainda não pontuou na competição

Publicado segunda-feira, 18 de julho de 2022 às 23:07 h | Atualizado em 18/07/2022, 23:07 | Autor: Celso Lopez
Debinha brilhou com dois tentos, entre eles um golaço com direito a caneta, e se tornou artilheira da Copa América Feminina
Debinha brilhou com dois tentos, entre eles um golaço com direito a caneta, e se tornou artilheira da Copa América Feminina -

O Estádio Centenário de Armenia foi palco de outra goleada da Seleção Brasileira. Com Debinha inspirada, o Brasil passou com facilidade no jogo teoricamente mais complicado do grupo.  Pela terceira rodada da Copa América Feminina, os gols de de Bia Zaneratto, Ary Borges e dois de Debinha foram o suficiente para definir o placar contra a Venezuela, nesta segunda-feira, 18, e cravar a vaga das Guerreiras para as semifinais. Agora, o último duelo será contra o Peru, que em duas rodadas ainda não pontuou na competição. 

Domínio absoluto

Foi com jogada de Tamires e gol de Bia Zaneratto que a Seleção Brasileira saiu na vantagem no primeiro tempo contra a Venezuela. Na promessa de uma partida mais complicada do que foi contra Argentina e Uruguai, a centroavante Deyna Castellanos pouco conseguiu aparecer, mas foi praticamente a única responsável pelas jogadas de perigo da Vinho Tinto. Mesmo assim, o 1 a 0 no placar refletiu bem um pouco das dificuldades que as Guerreiras tiveram para criar jogadas de grande perigo.

O Brasil nunca perdeu para a Venezuela: foram oito jogos e oito vitórias, sendo cinco delas em Copas Américas. Logo aos quatro minutos, quase Adriana começa a comprovar o bom retrospecto para a Canarinho. Depois de boa troca de passes dentro da área venezuelana, Debinha, já na linha de fundo, serviu Adriana de calcanhar. A atacante finalizou forte, mas foi travada pela defesa adversária. 

Desde o começo, a marcação-pressão brasileira funcionou, e o setor defensivo do mandante claramente apresentava incômodos ao sair com chutões. Entre o meio campo adversário e a zaga, Ary Borges e Angelina foram dominantes. Apesar do começo menos produtivo do que nas duas primeiras rodadas, Tamires e Bia Zanerrato fizeram a jogada para abrir o placar logo aos 21’. Sozinha, a lateral-esquerda cruzou na cabeça de Bia, que subiu mais que a marcadora, em uma bola que aparentemente não daria em nada, e marcou no contrapé de Nayluisa Cáceres.

Até os 40’, o Brasil praticamente não levou mais perigo, mas soube reagir bem ao tomar um susto na defesa. No minuto 42’, Deyna, sempre ela, cobrou falta para a área, pela direita, e viu Lorena sair mal do gol. Com espalmada para a área, Michelle Romero ficou livre para chutar, mas finalizou para longe. E aí que a seleção finalmente acordou. Dois minutos depois, Tamires novamente chega pela esquerda e cruza, a zaga venezuelana corta, mas a bola sobra para Adriana, que ajeita e chuta na entrada da área. Mesmo com o esforço, bola foi muito por cima. O primeiro tempo acabou da mesma forma que começou, com controle brasileiro na posse e nas chances e com um resultado justo para a segunda etapa.

Brasil arrasador

Se a primeira etapa resolveu um domínio absoluto da seleção brasileira para cima da Vinho Tinto, o segundo veio para comprovar a superioridade das Guerreiras. Ary Borges fez 2 a 0 logo aos 5 minutos, em contra-ataque puxado por Bia Zaneratto. 

Debinha fez seu primeiro na partida aos 12’, quando recebeu cruzamento de Antônia na pequena área. Sete minutos depois, Debinha de novo, agora com um golaço. Depois de canetar a marcadora dentro da área, a atacante finalizou sem chances para Cáceres. Com o tento, a atacante se tornou a artilheira da Copa América Femina, com quatro gols em três jogos, junto da própria companheira Adriana e de Yamila Rodrígez, da Argentina.

Publicações relacionadas