CBF aponta acerto do VAR e lance difícil em gols anulados do Cuiabá contra o Bahia

Publicado quinta-feira, 25 de novembro de 2021 às 12:04 h | Atualizado em 25/11/2021, 12:08 | Autor: Da Redação

Em parecer, a ouvidoria de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) detalhou os supostos erros de arbitragem na partida entre Cuiabá e Bahia pela Série A do Campeonato Brasileiro, que aconteceu no último domingo, 21, na Arena Fonte Nova. Na ocasião, ainda no primeiro tempo, o Dourado teve dois gols anulados. Na visão da ouvidoria, o primeiro gol foi corretamente anulado e o segundo é um lance de extrema dificuldade e que a interpretação do árbitro é compreensível. 

De acordo com a ouvidoria, o primeiro gol anulado, por impedimento do atacante Felipe Marques, que deu a assistência. O impedimento foi marcado ainda no campo pela assistente Neuza Inês Back e confirmado após minutos de análise do VAR com o uso das linhas tracejadas pela tecnologia.

A reclamação do Cuiabá é de que utilizaram um frame errado para analisar o lance, o que foi rechaçado pela ouvidoria. "Com efeito, embora esteja correto quanto ao fato de as regras não terem sido modificadas, do que, aliás, nem precisaria cogitar, o certo é que o procedimento realizado para o caso foi acertado. De fato, pois o momento considerado para aferir o toque na bola foi, efetivamente, o do primeiro contato do pé do jogador com a bola", disse em parecer.

"Não obstante, ainda quando a alegada distorção tivesse ocorrido, pode-se afirmar, com plena segurança, que a posição de impedimento não se modificaria, pois, já bem antes do momento do passe, o pé do atacante estava no ponto considerado pelo VAR para aferir o impedimento. Desse modo, um freme antes ou depois do momento exato do passe não alteraria a situação, em que pese não ter havido", acrescentou a ouvidoria.

Alguns minutos depois, o árbitro do jogo, Raphael Claus, anulou o segundo gol do Cuiabá, em cabeçada de Jenison por falta do atacante em Nino Paraíba. O lance também foi muito questionado por na avaliação da cúpula do Dourado, não impedir que o lateral do Bahia disputasse o lance.

Neste lance, a ouvidoria disse que o reclamante tem razão e que "as faltas de empurrar exigem que a correspondente ação seja clara e que haja impacto – físico ou tático – no adversário, pois o simples contato de uma mão ou braço de um jogador no corpo de outro não caracteriza, por si só, infração". e que apesar de não poder ser visto o movimento de empurrão, o lance é de grande dificuldade.

"Disso resulta que os erros decorrentes desse tipo de lance, conquanto não se possa isentar os árbitros da responsabilidade são perfeitamente compreensíveis do ponto de vista humano", pontou a ouvidoria.

Após o jogo, o vice-presidente do Cuiabá disse que seu clube foi prejudicado porque o Bahia pressionou a arbitragem após reclamar dos seguidos erros que o prejudicaram, entre eles, um grotesco em marcação de pênalti para o Flamengo contra o Tricolor. "Os árbitros estão entrando nos jogos pressionados. O que aconteceu no jogo entre Flamengo e Bahia foi reflexo da reclamação que o Flamengo fez do jogo contra o Chapecoense. E o Bahia fez um escarcéu enorme na mídia. O presidente do Bahia estava no direito dele, mas cria uma pressão desnecessária em cima da arbitragem", disse Cristiano.

Publicações relacionadas