adblock ativo

Matheus Reis treina como titular; Armero faz exame

Publicado quarta-feira, 09 de agosto de 2017 às 21:58 h | Atualizado em 09/08/2017, 22:09 | Autor: Daniel Dórea
Matheus Reis (D) cumpriu suspensão diante do São Paulo, mas estará de volta contra o Atlético-PR
Matheus Reis (D) cumpriu suspensão diante do São Paulo, mas estará de volta contra o Atlético-PR -
adblock ativo

Não há dúvidas de que o Bahia será cauteloso no jogo de domingo, 13, contra o Atlético-PR, em Curitiba. Vai marcar com todos os atletas atrás da linha da bola e tentará surpreender com velocidade nos contra-ataques. Em duas partidas no comando da equipe, o técnico interino Preto Casagrande já escancarou o seu estilo.

E também praticamente definiu seus 11 titulares. Diante do que se viu no 1 a 1 com a Chapecoense e no 2 a 1 sobre o São Paulo, havia restado apenas uma dúvida: quem acabaria como dono da posição na lateral esquerda?

Pois ela, em parte, parece ter sido sanada nesta quarta-feira, 9. Matheus Reis, que cumpriu suspensão no duelo com o Tricolor paulista, foi escalado no time de cima em treino tático no Fazendão. Os demais jogadores foram os mesmos que iniciaram a partida do último domingo, que teve Armero na lateral canhota.

O colombiano, no entanto, sentiu uma lesão muscular, foi substituído durante o embate e não participou do treinamento desta quarta-feira. Realizou exame médico para saber a gravidade do problema e deverá ser desfalque.

Outra opção para o setor seria o prata-da-casa Juninho Capixaba, que entrou no lugar de Armero no segundo tempo do jogo citado e, apesar de ter sido sua estreia em uma partida de Campeonato Brasileiro, mostrou segurança. No entanto, Preto ainda não o vê pronto para ganhar a posição, apesar das atuações recentes de Matheus Reis com pouco ou nenhum brilho.

Grama sintética

Sempre que um time vai enfrentar o Atlético-PR fora de casa, assuntos que fogem à parte técnica do confronto vem à tona. Um é o fato de que a pressão exercida por sua torcida é uma das que mais pesa entre os times brasileiros. Outro é o tipo de gramado da Arena da Baixada, sintético.

O lateral direito tricolor Eduardo, que defendeu o Furacão entre 2015 e 2016, criticou aqueles que condenam o futebol na grama sintética: “Na minha opinião, é uma verdadeira palhaçada. Recalque dizer que a grama é diferente, o quique é diferente. O campo é bom, a bola rola normal, melhor que muitos campos do Brasil. O pessoal critica porque é diferente. É um campo normal, gostoso de jogar. Se fosse pelo campo, o Atlético-PR era campeão nacional”.

Visão que encontra contraponto dentro do próprio elenco. “Não sei como é. Nunca joguei na Arena da Baixada nem em grama sintética. Imagino que deve ser diferente, que a bola deve correr mais. Mas vamos fazer reconhecimento um dia antes e procurar a adaptação”, afirmou o volante Renê Júnior.

No domingo, poderá ir a campo também o ‘fator vingança’. Estariam os rubro-negros mordidos por conta do 6 a 2 a favor do Bahia na estreia da Série A? “Acho que não. Já passou muita coisa desde aquele jogo”, acredita Renê.

adblock ativo

Publicações relacionadas