adblock ativo

COI deve decidir participação russa no Rio neste domingo

Publicado sábado, 23 de julho de 2016 às 16:15 h | Atualizado em 23/07/2016, 15:01 | Autor: Juliana Lisboa e Agências
Yulia Stepanova
Yulia Stepanova -
adblock ativo

O Comitê Olímpico Internacional (COI) deve se posicionar neste domingo, 24, de forma oficial e final, sobre o banimento de toda a delegação russa da participação dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro por conta da falta de controle sobre o doping consistente dos atletas.

Na última quinta-feira, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) confirmou o banimento do atletismo russo em última instância, frustrando atletas consagrados - como a bicampeã olímpica Yelena Isinbayeva, no salto com vara. Ela disse que a decisão "enterrou o atletismo".

Com a decisão do CAS, a tendência é que o COI acompanhe a mesma linha para toda a delegação russa, com atletas de todas as modalidades. A expectativa é que o banimento se confirme, mas que atletas que tenham a 'ficha limpa' possam competir sob alguma bandeira neutra.

As únicas atletas russas nestas condições até o momento, e que poderiam competir na Rio-2016, são Darya Klishna, do salto em distância, que já vive alguns anos nos Estados Unidos e é submetido ao controle de doping da agência americana; e Yulia Stepanova, dos 800m - que é a delatora do esquema de doping russo que resultou na punição imposta pela Federação Internacional de Atletismo (IAAF).

A comissão executiva da entidade se reunirá, através de uma conferência telefônica de seus representantes. A própria entidade estabeleceu um prazo de até quarta-feira para divulgar a decisão, a nove dias da cerimônia de abertura.

Direitos humanos?

O presidente do Rússia, Vladmir Putin, reafirmou que se trata de um caso de direitos humanos e sugeriu que vai recorrer a um tribunal específico para tentar mudar a decisão.

Isinbayeva também seguiu nessa mesma linha: "Há bastante material para recorrer da decisão do CAS. Se esse recurso for rejeitado, irei mais longe, até um tribunal internacional de direitos humanos para demonstrar que não estava envolvida", declarou.

adblock ativo

Publicações relacionadas