"Pronta em todos os aspectos", garante Virna Jandiroba para combate deste sábado

Publicado sábado, 19 de junho de 2021 às 07:00 h | Atualizado em 19/11/2021, 12:17 | Autor: Alex Torres

Na madrugada de sábado para domingo, a baiana Virna Jandiroba subirá ao octógono mais uma vez para tentar escrever a próxima etapa da sua trajetória de sucesso dentro do MMA. Natural de Serrinha, a ‘Carcará’, como é carinhosamente apelidada, irá encarar a promessa japonesa Kanako Murata, de 28 anos, no UFC Fight Night Apex, que ocorrem em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Pouco mais de seis meses se passaram desde seu último combate pela organização. Em entrevista exclusiva concedida ao Portal A TARDE, Virna falou que, apesar do período considerado longo entre as lutas, a rotina de treinos nunca se distanciou de sua vida. Além disso, ela ainda garante que chega para sua próxima batalha ainda mais preparada.

“Apesar de ter tido um bom tempo entre uma luta e outra, eu gostaria de ter lutado antes, mas acredito que tudo vem no tempo certo. Nunca deixei de treinar, porque a luta vai além da meu lado profissional. Se tornou algo que ajuda a me manter centrada. Costumo brincar de que passei por todas as casas do zodíaco, fazendo alusão ao desenho Cavaleiros do Zodíaco. Treinei wrestling puro, não pulei etapas. Trabalhei a parte em pé e aprimorei o chão, foi uma preparação muito boa, com muita tranquilidade, mas sempre muito com muito comprometimento”, afirmou Virna.

Com 13 lutas em seus cinco anos de carreira, a adversário da baiana teve seu braço erguido em 12 oportunidades. No entanto, quase metade dessas vezes (6), a vitória veio na decisão dos juízes, além de outros quatro triunfos por finalização e apenas dois nocautes, tendo ocorrido ambos em 2016, seu ano de estreia como lutadora de MMA.

Em contrapartida, a Carcará é tradicionalmente conhecida por ser um dos jiu-jitsus mais afiados da organização. Até o momento, a serrinhense venceu 16 combates em 18 lutas, sendo impressionantes 13 oportunidades por finalização. Apesar do número expressivo, Virna ainda não conseguiu um nocaute na carreira, entretanto, a luta deste sábado pode trazer essa oportunidade.

“Sim, acredito que pode ser. Estou pronta para trabalhar essa parte por cima, mas vamos ver também como a luta se desenrola. Eu fiz três rounds de trocação na minha última luta, então deu para mostrar muita coisa. Mas, agora, acredito que estou mais alinhada e consciente. A última luta, tendo sido praticamente toda em pé, me trouxe mais maturidade. Então é uma possibilidade. Estou pronta em todos os aspectos”, garantiu.

Outro fator interessante do combate envolvendo Jandiroba e Murata, está no fato dele reunir duas ex-campeãs do Invicta FC, primeiro evento de MMA voltado exclusivamente para mulheres. Questionada se isso poderia ser um ‘ingrediente’ a mais para a luta, a baiana descartou a possibilidade, alegando que elas estão em “outro momento na carreira”.

“Eu não penso no passado. Obviamente que é o passado que nos trouxe aqui. Mas, na verdade, vejo como mais uma grande adversária e que eu tenho muito respeito. Uma oponente muito dura. No entanto, não fico pensando nisso, porque estou no UFC e não no Invicta. Então é um outro momento da carreira”, frisou a Carcará.

Revés na última luta

Por falar em momento atual na carreira, a baiana chega para o combate na tentativa de se redimir, após a derrota sofrida para a compatriota Mackenzie Dern, em dezembro do ano passado. Apesar do resultado negativo, as duas lutadoras travaram uma verdadeira guerra dentro do octógono e coube aos jurados decidirem, por 2 rounds a 1, que Dern seria a vencedora daquela batalha.


Durante a entrevista, Virna comentou sobre aquela luta e falou sobre o que foi possível tirar de aprendizado sobre o combate. Ela reafirmou a necessidade de manter a agressividade em todo o prélio, de modo que a luta não seja decidida “nos detalhes”, mais conhecidos como 'pontuação dos juízes'.

“ (o combate contra Mackenzie Dern) Me deu muita convicção de onde é o meu lugar dentro da categoria. O aprendizado que consegui tirar, foi que eu preciso ser mais incisiva durante as minhas lutas. Eu não diria nem aguerrida, porque sempre sou em todas as lutas. Mas eu sei que sempre posso mais, então tenho que entregar absolutamente tudo, haja o que houver. Não posso deixar o combate ser decidido nos detalhes”, explicou.

Futuro na categoria

Caso vença a japonesa neste sábado, Virna atingirá o 17º triunfo em sua carreira, sendo o terceiro dentro do UFC. Após atingir uma de suas metas iniciais, que era entrar no top 15 da organização, a baiana já começa a fazer planos para os seus próximos passos dentro da empresa. Mesmo sem ter um nome em mente, ela garante a busca por uma lutadora top 10.

“Eu gostaria de pedir uma top 10. Atualmente, a Kanako não está dentro do ranking, apesar de ser uma luta muito boa. Eu também não sou de negar nenhuma luta. Mas eu gostaria de uma menina ranqueada, para que eu possa crescer dentro da categoria. Gostaria de uma top 10, seria algo fantástico para mim, mas não tenho um nome específico”, projetou. 

Atualmente, Virna Jandiroba possui 33 anos e ocupa o 13º lugar no pesos-palhas. Apesar da idade e com o objetivo ainda um pouco distante — levando em consideração o ranking da organização — a Carcará afirmou que mantém o sonho no título mundial da categoria, mas garante: “valorizo muito mais o caminho”.

“Com certeza (quer conquistar o cinturão). Eu tenho isso o tempo todo em mente. No entanto, hoje eu valorizo muito mais o caminho, fazer as coisas sem pressa. Como sempre falam, o bom da viagem está no percurso e eu tenho certeza disso. A gente vai se enriquecendo muito durante essa trajetória, mas, com certeza, eu quero disputar o cinturão do UFC custe o tempo que custar. Mas eu tenho certeza que as maiores riquezas eu conquistei nesse caminhão e não necessariamente no cinturão”, finalizou a Carcará.

Publicações relacionadas