adblock ativo

Vitória visita o Avaí na Ressacada para se manter no G-4

Publicado quarta-feira, 29 de julho de 2009 às 20:13 h | Atualizado em 29/07/2009, 23:09 | Autor: André Uzêda l A TARDE
adblock ativo

Famosa pela suas belas praias e pelo alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) que apresenta – a maior entre as capitais do Brasil –, a cidade de Florianópolis é destino certo nos pacotes das agências de turismo. Pontos turísticos como a praia de Jurerê Internacional, conhecida pela sua sofisticação, é um dos principais atrativos da Ilha da Magia, como é conhecida Floripa.

A hospitalidade e a vocação turística da capital catarinense podem servir de estímulo para o time do Vitória, nesta quinta-feira, 30, às 21 horas, na Ressacada, vencer o Avaí e encerrar de uma vez por todas com a imagem de visitante bem comportado que construiu ao longo deste campeonato.

O Leão tem até feito boas partidas jogando longe dos seus domínios neste Brasileirão, mas, tem somando poucos pontos distante de Salvador – foram somente cinco, ou 20,8% dos 24 que conquistou. Por isso mesmo vem sendo agraciado, na maioria das vezes, com um irônico “volte sempre” dos times anfitriões. Foi desta forma diante de Palmeiras, Flamengo, Náutico e Corinthians.

O retrospecto do Vitória contra os times do sul do País, este ano, pode servir de inspiração para o time afastar de vez a pecha de equipe caseira. Até agora, o rubro-negro baiano tem se mantido invicto quando mediu forças com as equipes da região mais fria do Brasil.

Tranquilidade – Diante do Avaí a inoperância do ataque nos jogos fora é uma das maiores preocupações. “Não temos tido a tranquilidade necessária para fazer os gols fora de casa. Estamos perdendo muitos gols, mas garanto que estaria muito mais preocupado se nem estivéssemos criando as chances. Nossas melhores apresentações fizemos longe da Bahia”, explica o técnico Paulo César Carpegiani, antes de completar: “é importante estar com a cabeça no lugar na hora de finalizar”.

O fator psicológico é, aliás, uma das preocupações do comandante para um time com média de idade tão baixa, de apenas 24,8 anos. O treinador teme que o fato de jogar sem o conforto da sua torcida esteja prejudicando a equipe quando atua em outras praças.

"Eu já conversei com os jogadores que a maior dificuldade fora de casa são sempre dois fatores: a torcida adversária e a motivação dos jogadores por estarem jogando com a esta torcida a favor. O resto – campo, bola, juiz – é tudo igual",  sentencia o treinador do Vitória.

Tal ensinamento, segundo o próprio técnico, os jogadores puderam vivenciar na prática nas partidas que acabaram sendo derrotados “por pequenos detalhes”, como lembra o volante Vanderson, que retornará a equipe como titular.

“Contra o Palmeiras, por exemplo, estávamos com o jogo completamente dominado. Inclusive, havíamos perdido uma infinidade de gols. Mas quando Vanderlei [Luxemburgo, até então técnico do Verdão] mexeu na equipe a torcida do Palmeiras se inflou. Nosso time não teve a maturidade para voltar a segurar a partida e acabou derrotada”, relembrou Carpegiani.

Apoio – A pressão da torcida deve ser um problema que o Vitória voltará a enfrentar no jogo desta quinta. Se a média de 10.390 do Avaí em seu estádio, neste campeonato, não chega a assustar, é bom a equipe do Vitória se preparar para receber uma Ressacada lotada, com seus 19 mil lugares completamente ocupados, ou algo bem próximo disso.

O time azul e branco, que teve um começo de campeonato turbulento, engrenou nas últimas rodadas e vem de uma série de quatro vitórias seguidas. Contra Goiás, Sport, Grêmio e Atlético Paranense.

O engenheiro do Avaí é o técnico Sílas, que ascendeu com a equipe ano passado da Série B, e parece ter azeitado a máquina catarinense. “É muito difícil uma equipe encontrar um rumo durante o campeonato. E o time do Avaí fez isso. É hoje a equipe a ser batida. Vem de uma impressionante sequência de vitórias dentro e fora de casa. Vai ser um jogo muito difícil para eles e para nós”, analisa o treinador gaúcho do rubro-negro baiano.

AVAÍ X VITÓRIA

Avaí: Eduardo Martini; Rafael, Augusto, Emerson e Luiz Ricardo; Ferdinando, Léo Gago, Marquinhos e Eltinho; Muriqui e Willian. Técnico: Silas.

Vitória: Viáfara (Gléguer); Apodi, Uelliton, Anderson Martins, Victor Ramos e Leandro; Vanderson, Magal e Leandro Domingues; Adriano (Willian) e Roger. Técnico: Paulo César Carpegiani.

Local: Estádio Ressacada (Florianópolis), às 21h.
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF).

adblock ativo

Publicações relacionadas