adblock ativo

Theresa May utiliza negociações do Brexit em discurso anterior a eleições

Publicado terça-feira, 30 de maio de 2017 às 12:41 h | Atualizado em 19/11/2021, 08:11 | Autor: Estadão Conteúdo
adblock ativo

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, procurou revitalizar sua campanha eleitoral nesta terça-feira, argumentando que somente ela poderá entregar um processo bem-sucedido de saída britânica da União Europeia.

Em um discurso em Wolverhampton poucos dias antes das eleições gerais de 8 de junho, May afirmou que o Partido Conservador está "100% comprometido" com o Brexit e que tem um plano claro para as negociações da saída. Segundo ela, os partidos de oposição desmerecem o resultado do plebiscito do ano passado, descrito por ela como uma revolução silenciosa na sociedade britânica.

"Tudo depende se o Brexit for levado corretamente. Então a questão central nessa eleição é quem tem a vontade e, crucialmente, o plano para fazer do Brexit um sucesso", disse May.

Seu apelo aos eleitores vem após uma sucessão de pesquisas de intenção de voto, que indicava uma leve queda nas intenções de voto no Partido Conservador e uma leve alta nas menções ao opositor Partido Trabalhista, liderado por Jeremy Corbyn.

Um levantamento com mais de 2 mil adultos, conduzido entre 25 e 26 de maio pela YouGov PLC colocou os conservadores com 43% das intenções de voto contra 36% dos trabalhadores, enquanto o restante planeja votar em partidos menores. Os resultados excluem os que ainda não se decidiram ou planejam se abster.

Em seu discurso, May reiterou as prioridades de negociação para as próximas conversas com Bruxelas, iniciadas pela primeira vez no ano passado. Ela afirmou que o Reino Unido planeja renunciar à sua adesão ao mercado único de bens e serviços da UE e, em vez disso, negociará um novo e ambicioso acordo de livre comércio com o bloco. May também afirmou que Londres quer continuar a cooperar com a UE em questões como a criminalidade e o terrorismo e está disposta a garantir os direitos dos cidadãos da UE que residem em território britânico, desde que cidadãos britânicos em outras partes da UE tenham os mesmos direitos. Fonte: Dow Jones Newswires.

adblock ativo

Publicações relacionadas