adblock ativo

Projeto vai mapear arte rupestre na Bahia

Publicado quarta-feira, 27 de setembro de 2006 às 09:53 h | Atualizado em 27/09/2006, 09:53 | Autor: Agencia Estado
adblock ativo

Os brasileiros conhecem pouco do Brasil pré-colonização portuguesa - tanto que pintura rupestre no quintal beira a normalidade no interior do Nordeste, reflexo da ignorância sobre sua importância. Um projeto da Universidade Federal da Bahia (UFBA) pretende preencher pelo menos parte deste vazio.

O arqueólogo Carlos Alberto Etchevarne acaba de receber R$ 532 mil para realizar o primeiro levantamento sistemático dos desenhos na Bahia. Ele foi o vencedor do 3º Prêmio Clarival do Prado Valladares, concedido anualmente pela Organização Odebrecht, e produzirá um livro e um atlas dos sítios arqueológicos, para aumentar o nível de conhecimento da população e das autoridades.

As pinturas rupestres estão espalhadas pelo Estado ao longo da Bacia do Rio São Francisco, pela Chapada Diamantina, no cerrado e na caatinga - só no litoral elas não foram avistadas ainda. São marcas deixadas por índios pré-históricos, grupos nômades de caçadores-coletores que perambulavam pela região num passado remoto atrás de comida como frutas e peixe.

Hoje em dia algumas estão dentro de propriedades particulares, cujos donos com freqüência não têm noção de sua importância histórica. Outras estão localizadas em áreas com pedreiras, que extraem granito, quartzito e arenito para revestir casas pelo País afora.

Perguntas

Os desenhos são representações de plantas, como palmeiras; animais, como emas e capivaras; e pessoas, além de símbolos geométricos. ?Algumas das espécies representadas conseguimos identificar, outras não. Na Bahia, ao contrário de pinturas de outros Estados, os desenhos de plantas são bastante freqüentes?, explica Etchevarne. As figuras humanas chegam a ter detalhes como cocares e tacapes.

As pinturas foram feitas com o que o índio tinha em mãos: pigmentos minerais de hematita, carvão e tabatinga (um tipo de argila branca) em cavernas que serviam de moradia provisória. Por isso vermelho, amarelo, branco, preto e seus matizes predominam.

Os arqueólogos sabem pouco mais do que isso. Os poucos estudos já feitos na região eram pontuais. Não se sabe com certeza que grupos eram estes, quando viveram nem quantos eram. Não se conseguiu ainda traçar uma ligação de ascendência entre os índios pré-históricos desenhistas e os atuais - na verdade, não se sabe nem se tal relação existe. Pesquisadores da Universidade de São Paulo acabaram de coletar material para tentar a primeira datação das pinturas baianas.

Respostas

Etchevarne e sua equipe farão viagens a campo para fotografar e registrar o maior número possível de sítios. ?Não temos a menor idéia de quantos existem. Teremos a primeira noção agora. Alguns estão localizados no quintal das casas.? Ele conta que recentemente o proprietário de um terreno em Lençóis descobriu uma caverna com pinturas só depois de uma queimada, que abriu a mata até a caverna.

O desconhecimento do patrimônio histórico não é exclusividade da Bahia. O mesmo ocorre em boa parte dos Estados onde há desenhos rupestres no Brasil. Eles estão difundidos em cavernas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

À medida que o desmatamento e a queimada avançam nessas regiões, some a proteção natural das cavernas. As pinturas, antes guardadas pelas árvores, ficam sujeitas a mais luz, vento e chuva - sem contar a presença do homem, que sem conhecimento se torna uma grande ameaça.

O arqueólogo da UFBA espera que seu trabalho, além de ser uma ferramenta para cientistas, ajude autoridades locais a educarem os moradores sobre a importância da preservação e a estabelecerem políticas de proteção.

Etchevarne também imagina que as cavernas poderiam servir como fonte de renda pelo turismo responsável. ?Seria uma forma de proteger e obter recursos, não pelo turismo maciço, mas por programas seletivos.?

adblock ativo

Publicações relacionadas