Bolsonaro diz que vai ligar para Zelensky na próxima semana

Promessa foi feita durante encontro entre presidente brasileiro e presidente da Hungria, Katalin Novák

Publicado segunda-feira, 11 de julho de 2022 às 16:11 h | Atualizado em 11/07/2022, 16:20 | Autor: Da Redação
Bolsonaro (PL) ao lado dos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Carlos França (Relações Exteriores) durante agenda com autoridades internacionais em Brasília
Bolsonaro (PL) ao lado dos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Carlos França (Relações Exteriores) durante agenda com autoridades internacionais em Brasília -

Durante pronunciamento no Palácio do Planalto, nesta segunda-feira, 11, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que combinou  um telefonema para o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky, que deve ocorrer na próxima segunda-feira, 18. A declaração foi dada ao lado da presidente da Hungria, Katalin Novák.

““Trocamos algumas observações sobre o conflito que acontece ali próximo à Hungria, a questão Rússia e Ucrânia. Disse que no próximo dia 18 tenho um telefonema acertado com o Zelensky, assim como depois da minha visita à Rússia antes do conflito tive uma outra conversa com o presidente Putin. E, nós queremos, cada vez mais, fazer o possível pela paz”, declarou o presidente da República.

Bolsonaro esteve na Rússia para se encontrar com Putin, em fevereiro deste ano, e voltou a conversar com o líder russo no último dia 27 de junho.

Após a conversa de junho, Bolsonaro anunciou, durante conversa com apoiadores, que o Brasil poderia comprar diesel da Rússia. A negociação foi feita em ligação telefônica com o presidente do país. A conversa foi confirmada pelo ministro de Relações Exteriores, Carlos França. No evento desta segunda, o chefe do Executivo disse que o combustível fóssil poderia chegar ao Brasil em dois meses.

“Está acertado. Em 60 dias já pode começar a chegar aqui, já existe essa possibilidade. A Rússia continua fazendo negócios com o mundo todo. Parece que as sanções econômicas não deram certo, tanto é que a Alemanha teve agora 40% do gás cortado”, afirmou Bolsonaro a jornalistas.

Publicações relacionadas