Ex-deputado petista cobra Rui e diz que morte de Adriano foi 'queima de arquivo'

Publicado segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 às 15:19 h | Atualizado em 21/01/2021, 00:00 | Autor: Da Redação

O ex-deputado federal petista Wadih Damous cobrou do governador Rui Costa (PT) esclarecimentos sobre a morte do miliciano Adriano da Nóbrega, em operação executada pela polícia baiana, no último dia 9 de fevereiro, no município de Esplanada.

“A execução do miliciano, herói de Bolsonaro, Adriano Nóbrega tem de ser cabalmente esclarecida pelo governo da Bahia, a não ser que o governador admita não ter o controle de sua polícia. A imagem do PT não pode sair arranhada desse episódio. Foi queima de arquivo. Quem mandou queimar?”, escreveu o ex-parlamentar do PT, no Twitter.

No último sábado, 15, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que “a PM da Bahia, do PT” era a responsável pela morte de Adriano, ex-capitão do Bope, a tropa de elite da polícia do Rio de Janeiro.

O ex-policial era investigado por suposto envolvimento em um esquema de “rachadinha”, ou seja, devolução de salários, no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro e chegou a ser condecorado pelo filho do presidente em 2005, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Em reação à fala de Bolsonaro, Rui publicou, no Twitter, que o governo da Bahia “não mantém laços de amizade nem presta homenagens a bandidos nem procurados pela Justiça”.

Publicações relacionadas