Queiroga minimiza investigação na CPI: "Estou preocupado com o Brasil"

Publicado sexta-feira, 18 de junho de 2021 às 17:10 h | Atualizado em 18/06/2021, 17:12 | Autor: Da Redação

O atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, minimizou a sua presença na lista de pessoas que se tornaram investigadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

"Não estou preocupado com eles. Estou preocupado com o Brasil", disse Queiroga em resposta à CNN Brasil, antes da divulgação da lista pelo anúncio do relator da Comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), nesta segunda-feira, 18.

Além de Queiroga, o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o seu antecessor na pasta, Eduardo Pazuello, também estão entre os que foram alocados para a condição de investigados.

Mais cedo, o ministro compartilhou no Twitter uma publicação do perfil do presidente Jair Bolsonaro sobre a chegada da terceira remessa de lotes com 936 mil doses da vacina da Pfizer contra o novo coronavírus.

Passarão a ser classificados como investigados: Marcelo Queiroga (Ministro da saúde); Eduardo Pazuello (ex-ministro da Saúde); Ernesto Araújo (ex-ministro de Relações Exteriores); Elcio Franco (ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde); Fábio Wajngarten (ex-secretário de Comunicação Social); Mayra Pinheiro (secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde); Nise Yamaguchi (médica defensora da cloroquina); Paolo Zanotto (médico defensor da cloroquina); Carlos Wizard (empresário que aconselhou Pazuello); Arthur Weintraub (ex-assessor especial da Presidência da República); Francieli Fantinato (coordenadora do Programa Nacional de Imunização); Marcellus Campêlo (ex-secretário de Saúde do Amazonas); Luciano Dias Azevedo (tenente-médico da Marinha e anestesista) e Hélio Angotti Neto (secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde).

Publicações relacionadas