Risco de ataques contra sistema eleitoral preocupa o STF

Ministros avaliam o esquema de segurança para as comemorações pela Independência

Publicado sábado, 09 de julho de 2022 às 09:14 h | Atualizado em 09/07/2022, 09:20 | Autor: Da Redação
Ministros estão preocupados com possíveis protestos radicais de apoiadores de Bolsonaro
Ministros estão preocupados com possíveis protestos radicais de apoiadores de Bolsonaro -

O desfile militar programado para o 7 de Setembro tem preocupado ministros do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior Eleitoral. O temor é que as manifestações impulsionadas por apoiadores mais radicais do presidente Bolsonaro sirvam para desferir ataques contra o sistema eleitoral, segundo revelado pela Folha, neste sábado, 9.

Os ministros esperam a retórica golpista que Bolsonaro exibe em manifestações deste tipo, já que este ano se comemora o Bicentenário da Independência, e em pleno processo eleitoral. Por isso, há muita preocupação em definir quais serão os esquemas de segurança, apesar das divergências sobre como responder a possíveis ataques aos tribunais.

Em 2020, o Supremo criou três cordões de isolamento no raio de até três quilômetros, com auxílio da Secretaria de Segurança Pública do DF e da PF. A área mais próxima ao STF foi isolada por grades. O STF avalia reeditar esse esquema.

Os ministros avaliam ainda que o momento é marcado por muita hostilidade, nem tanto quanto no desfile do ano passado, quando Bolsonaro participou de diversas manifestações com teor golpista e proferiu ameaças contra o STF. Dois dias depois, no entanto, o presidente divulgou uma nota dizendo que "nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes" e atribuiu palavras "contundentes" anteriores ao "calor do momento". Mesmo assim, o temor este ano é real.

As forças de segurança do Distrito Federal, responsáveis pela proteção do patrimônio na Esplanada, estão monitorando uma série de eventos que apresentam risco. Um deles é a convocação de movimentos de apoio a Bolsonaro para manifestações em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, em 31 de julho, como eventos preparativos para o 7 de Setembro.

Publicações relacionadas