Rosa Weber envia notícia-crime contra Bolsonaro por homofobia à PGR

Vereadora trans acusou o presidente de homofobia e transfobia

Publicado sexta-feira, 15 de julho de 2022 às 16:23 h | Atualizado em 15/07/2022, 16:54 | Autor: Da Redação
Bolsonaro afirmou que seu modelo de família é constituído 'por homem, mulher e prole'
Bolsonaro afirmou que seu modelo de família é constituído 'por homem, mulher e prole' -

A ministra Rosa Weber, presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) investigue a notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por homofobia.

A decisão foi tomada após a  vereadora trans Erika Hilton protocolar no STF a notícia-crime com pedido de investigação contra Bolsonaro após declaração durante a Convenção dos Ministros das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus, no Maranhão.

“Antes de qualquer providência, determino a abertura de vista dos autos à Procuradoria-Geral da República, a quem cabe a formação da opinio delicti em feitos de competência desta Suprema Corte, para manifestação”, disse Rosa, no documento.

Na Convenção, Bolsonaro afirmou que seu modelo de família é constituído 'por homem, mulher e prole'. "O que nós queremos é que o Joãozinho seja Joãozinho a vida toda. A Mariazinha seja Maria a vida toda, que constitua família, que seu caráter não seja deturpado em sala de aula", disse.

Segundo a vereadora, a declaração do presidente tem "evidente caráter homofóbico e transfóbico". Ela pontuou que Bolsonaro trata com "desdém e desrespeito a existência de pessoas com orientação sexual e identidade de gênero distintas do padrão heteronormativo".

"O discurso proferido pelo noticiado aqui retratado representa uma conduta ilegal, reprovada pelo ordenamento jurídico brasileiro como um crime", diz trecho do documento, que se baseia na decisão do STF de junho de 2019, que equipara a homofobia ao racismo.

Publicações relacionadas