Trump suspende diálogo com democratas por plano de ajuda até depois das eleições

Publicado terça-feira, 06 de outubro de 2020 às 21:07 h | Atualizado em 06/10/2020, 21:14 | Autor: AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta terça-feira, 6, a suspensão abrupta das conversas com os democratas sobre um novo plano de ajuda para reduzir os impactos da pandemia de covid-19 até depois das eleições de 3 de novembro.

"Dei instruções aos meus representantes para que parem de negociar até depois das eleições", tuitou o presidente americano, acusando a interlocutora do governo, a presidente da Câmara de Representantes e líder democrata, Nancy Pelosi, de não negociar "de boa fé".

"Imediatamente depois que vencer, aprovaremos um importante projeto de lei de estímulo, que se centra nos trabalhadores americanos e nas pequenas empresas", prometeu o mandatário republicano, na disputa pela reeleição.

Pelosi reagiu com críticas a Donald Trump e à "completa desordem" na Casa Branca.

"Hoje, mais uma vez, o presidente Trump demonstrou sua verdadeira face: colocando-se em primeiro lugar às custas do país, com a total cumplicidade dos Membros do Congresso republicanos", disse a presidente da Câmara de Representantes, depois do tuíte de Trump.

"Claramente, a Casa Branca está em total desordem", continuou Pelosi, acrescentando que Trump está ignorando os alertas do Federal Reserve (Fed, banco central americano) de que um apoio mínimo resultaria em uma recuperação frágil, com privações desnecessárias para milhões de lares e negócios americanos.

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, acusou o presidente Donald Trump de "dar as costas" aos americanos, ao encerrar as negociações de um novo pacote de ajuda.

"Deu as costas às famílias que lutam para pagar o aluguel, pôr comida na mesa e cuidar dos seus filhos", disse Biden em um comunicado publicado depois de Trump congelar as negociações com os democratas, afirmando que negociam de má fé.

O tuíte de Trump derrubou a bolsa de Nova York, que fechou em baixa após a suspensão das negociações do pacote de ajuda econômica.

Segundo resultados provisórios do fechamento, o Dow Jones Industrial Average recuou 1,34%, a 27.772,30 pontos; o Nasdaq perdeu 1,57%, a 11.154,60; e o S&P 500 caiu 1,40%, a 3.360,87 pontos.

Um novo impulso orçamentário nos Estados Unidos é considerado crucial pelos especialistas para que a primeira economia do mundo erga a cabeça, depois de ter ficado de joelhos durante a pandemia de covid-19, que paralisou diversos setores.

A ausência de um plano de ajuda significa que muitas pessoas e empresas - como hotéis, companhias aéreas, bares e restaurantes - enfrentarão dificuldades financeiras nas próximas semanas. Nos EUA, o seguro-desemprego não é pago por mais de seis meses.

"A perspectiva continua muito incerta", ressaltou nesta terça-feira o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, nesta terça-feira.

E a situação deve piorar, porque sem o auxílio financeiro as empresas ficarão sem pessoal. Certos setores gravemente afetados, como turismo e transporte aéreo, já anunciaram demissões em massa: 19.000 funcionários da American Airlines, 13.000 na United e 28.000 dos parques temáticos da Disney.

- "Sofrimento desnecessário" -

O governo Trump e o Congresso estiveram negociando por mais de dois meses acordar um novo plano de ajuda para lares e empresas, mas havia desencontros sobre o montante.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e Pelosi haviam retomado as negociações diariamente há quase uma semana.

Mas as diferenças entre republicanos e democratas continuavam muito grandes. O total da ajuda era um problema, visto que os republicanos queriam um primeiro acordo menor, mesmo que isto significasse voltar à mesa de negociações depois, enquanto os democratas exigiam um plano importante de imediato.

As duas partes tentavam entrar em acordo quanto ao gasto em estímulos adicionais, ao expirar a ajuda prevista no plano de 2,2 trilhões de dólares, aprovada em março pelo Congresso, quando a pandemia foi declarada.

A proposta mais recente de Pelosi era de 2,2 trilhões de dólares. Mas Trump a acusou de querer "resgatar os Estados democratas com alto nível de criminalidade e mal administrados" e disse que este dinheiro "de forma alguma está relacionado com a covid-19".

"Fizemos uma oferta muito generosa de 1,6 trilhão de dólares e, como é habitual, ela não está negociando de boa fé", disse o presidente.

O governo Trump ofereceu inicialmente US$ 1 trilhão.

Junto a outros economistas, Powell havia alertado mais cedo nesta terça-feira sobre as consequências desastrosas para a economia caso não houvesse uma nova ajuda pública.

"Uma ajuda muito fraca pode levar a uma recuperação mais frágil, criando sofrimento desnecessário para famílias e empresas", declarou o diretor do Fed, em discurso virtual feito por videoconferência na reunião anual da Associação Nacional de Economia Empresarial (NABE, em inglês).

"Com o tempo, as dívidas das famílias e falências de empresas aumentariam, prejudicando a capacidade produtiva da economia e desacelerando o crescimento dos salários", alertou, em tom alarmista.

Mesmo que a ajuda seja "maior do que o necessário, ela não será desperdiçada", ressaltou.

"A recuperação será robusta e mais rápida se a política monetária e a política fiscal continuarem a trabalhar juntas para sustentar a economia até que ela esteja claramente sem problemas", finalizou Powell.

O titular do Fed, que se abstém de qualquer apoio partidário, foi nomeado para o cargo por Trump.

Publicações relacionadas