Dia Mundial da Água reforça importância do saneamento

Apenas 0,7% da água disponível no planeta é adequada ao consumo

Publicado terça-feira, 22 de março de 2022 às 06:00 h | Atualizado em 21/03/2022, 21:47 | Autor: Da Redação
Falta de saneamento compromete e até inutiliza a pouca água disponível para o consumo
Falta de saneamento compromete e até inutiliza a pouca água disponível para o consumo -

Apesar de 70% da superfície do planeta Terra ser coberta por água, apenas 0,7% é adequada ao consumo humano e o restante é salgada, impura ou inacessível. Para alertar a sociedade sobre a importância do elemento, cuidados necessários e efeitos causados pelo mau uso, desde 1992 que 22 de março é o Dia Mundial da Água.

A data foi criada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento e, a cada ano, é abordado um tema específico. Em 2022, o tema é "Águas subterrâneas: Tornando o invisível visível", que trata do saneamento básico.

André Ferretti, gerente sênior de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), alerta que a deficiência no conjunto de serviços fundamentais para a qualidade de vida de uma população que englobam o saneamento básico afeta drasticamente a vida e o desenvolvimento de qualquer sociedade.

Ele pontua que a pouca água potável disponível no planeta está irregularmente distribuída. A produção de alimentos de qualidade e o funcionamento de indústrias exemplificam a importância da água para os ecossistemas.

Mais de 4 bilhões de pessoas, mais da metade da população do planeta, não tem saneamento adequada, e acaba consumindo água poluída André Ferretti, gerente sênior de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza
 

"A partir do momento em que não tem saneamento básico, a gente tá comprometendo e, muitas vezes, inutilizando a pouca água que temos na região para todas as atividades necessárias para a nossa vida e a dos outros seres vivos", afirma.

Ele explica que a quantidade diária de água necessária para o funcionamento do organismo é definida em análise de variantes, que vão da região onde vive a atividades físicas que faz. Em linhas gerais, o recomendável é ingerir, pelo menos, 2 litros de água por dia. Entretanto, sem saneamento, o acesso à água limpa de forma global é irregular.

"Mais de 4 bilhões de pessoas - mais da metade da população do planeta - não tem saneamento adequado e acaba consumindo água poluída. Cerca de 2 bilhões de pessoas não tem acesso à água potável em casa, precisa se deslocar para ter. A pouca água doce que a gente tem e a parte que é potável e está acessível precisa ser muito bem cuidada para que a gente não sofra as consequências de um desabastecimento", analisa.

Pouca água potável disponível no planeta está irregularmente distribuída
Pouca água potável disponível no planeta está irregularmente distribuída |  Foto: Márcio Pinheiro | GOVAM
 

Ferretti crava que a água disponível para consumo o mundo pode, sim, chegar ao fim. "A água no planeta não deve acabar, mas a água potável, adequada e acessível é um elemento que a gente precisa cuidar muito bem, pois ela já é escassa para boa parte da população global".

Existem muitas áreas do mundo com escassez de água em algum período do ano ou por períodos sequenciais de ano. É um bem que necessita ser conservado quanto a sua qualidade e qualidade Carlos Tucci, PhD em Recursos Hídricos
 

Algumas regiões do mundo já sofrem com a escassez, mesmo que de forma esporádica. É o que aponta Carlos Tucci, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN),  PhD em Recursos 'Hídricos e professor aposentado do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

"Existem muitas áreas do mundo com escassez de água em algum período do ano ou por períodos sequenciais de ano. Mesmo nas regiões onde sempre tem precipitação, o risco é ter água, mas contaminada. Portanto, é um bem que necessita ser conservado quanto à quantidade e qualidade".

Tucci lembra que a purificação da água foi um dos fatores responsáveis pelo aumento da expectativa de vida no final do século 19 e início do século 20. "Três fatores duplicaram a expectativa de vida da população: a pasteurização do leite, a cloração da água e a penicilina. Portanto, água limpa é a razão de vivermos mais e não adquirirmos doenças".

Ele afirma que o saneamento do Brasil é ainda muito limitado. "Isso porque o tratamento do esgoto produzido pela população ainda tem níveis baixos, e os rios que cruzam as cidades estão contaminados, colocando em risco a saúde da população. Esta é uma demanda para melhoria destes indicadores para reduzir o risco sobre a população".

Qualidade da água

Em sete cidades da Bahia, amostras coletadas para o Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua) identificaram excesso de substâncias nocivas à saúde. André Ferretti explica que este é um problema socioambiental gravíssimo que prejudica o recurso natural.

"A água vai sendo poluída e vai se tornando cada vez menos acessível às pessoas. A principal causa da poluição é o desenvolvimento desenfreado das atividades econômicas, principalmente nas cidades, e deposição de diversos rejeitos (esgoto, lixo) e outros contaminantes químicos na nossa água. O problema de consumir água contaminada, imprópria, é que parte não pode nem ser bebida por conta do cheiro e do sabor, não dá para ser usada nem para banho nem para cozinha, o que já é um problema".

A situação é agravada quando a contaminação é por metais pesados, mas a água é suscetível à contaminação por diversas frentes: "Às vezes, tem o mercúrio por conta de garimpos ilegais, microplástico, que são pequenas porções de plástico que a gente não consegue ver a olho nu, remédios que são descartados irregularmente, agrotóxicos, pesticidas. O consumo causa problemas sérios que podem causar a morte da pessoa".

Ferretti reforça que é necessário cuidar dos 0,7% de água existente no planeta disponível ao consumo. "A pouca água doce que a gente tem e a parte que é potável e está acessível precisa ser muito bem cuidada para que a gente não sofra as consequências de um desabastecimento".

Publicações relacionadas