Tecnologia cubana pode evitar 4500 amputações causadas por diabetes na Bahia

Publicado terça-feira, 03 de março de 2020 às 13:30 h | Atualizado em 03/03/2020, 13:55 | Autor: Da Redação

Um acordo de transferência de tecnologia de produção de medicamentos e gerenciamento de saúde na área de diabetes mellitus foi alinhado entre representantes governamentais de Cuba e o Secretário Estadual da Saúde Fábio Vilas-Boas, em visita oficial ao país, nesta terça-feira, 3.

De acordo com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), Vilas-Boas informou que o Governo de Cuba desenvolveu um dos mais bem sucedidos projetos de controle do diabetes e de suas complicações - que incluem amputações e cegueira - em todo o mundo.

O projeto de parceria com o Governo cubano é fruto de reuniões iniciadas pelo Governador Rui Costa em visita oficial a Cuba, em 2017, e sequenciadas pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma).

Ainda segundo a Sesab, uma molécula desenvolvida pelo Centro Cubano de Engenharia Genética e Biomolecular (CIGB) é capaz de aumentar a circulação de sangue nas pernas e pés afetados pela doença vascular do diabetes, evitando assim a amputação que afeta 4.500 baianos por ano. O medicamento está em fase final de aprovação regulatória do Brasil, sendo a Bahiafarma, junto com a Fiocruz Biomanguinhos, os primeiros laboratórios a aplicarem o novo fármaco no país.

Já na área de oftalmologia, uma tecnologia medicamentosa inovadora (uma vacina terapêutica) que age de forma oposta, evitando a formação de novos vasos na retina ocular de diabéticos (retinopatia diabética) tem o objetivo de ajudar a combater uma das principais causas de cegueira no país, além de economizar milhões de dólares para o sistema único de saúde brasileiro (SUS).

"O acordo também incluirá a cooperação técnica no desenvolvimento e implementação de um projeto de controle de sequelas de diabetes nas 28 regiões de saúde do estado, aproveitando a estrutura das 25 Policlínicas Regionais de Saúde, dos novos centros de Hemodinamica e Cirurgia Vascular dos Hospitais Estaduais e de 200 salas de atendimento ao portador de pé diabético que estão em fase de implantação em 200 municípios baianos”, disse o gestor estadual à Sesab.

A previsão é de que no segundo semestre de 2020 o projeto esteja em fase de implantação, com resultados que podem ser colhidos dentro de um ano.

Publicações relacionadas