Delegado da PF morre em ação contra madeireiros ilegais | A TARDE
Atarde > Brasil

Delegado da PF morre em ação contra madeireiros ilegais

Roberto Moreira da Silva Filho participava de uma operação para combater o desmatamento em terras indígenas

Publicado sábado, 27 de agosto de 2022 às 14:00 h | Autor: Da Redação
Roberto Moreira da Silva Filho, de 35 anos, era chefe da delegacia de repressão a crimes contra o meio ambiente e patrimônio histórico do Mato Grosso desde setembro de 2021, e estava na corporação desde dezembro de 2020
Roberto Moreira da Silva Filho, de 35 anos, era chefe da delegacia de repressão a crimes contra o meio ambiente e patrimônio histórico do Mato Grosso desde setembro de 2021, e estava na corporação desde dezembro de 2020 -

O delegado da Polícia Federal Roberto Moreira da Silva Filho, de 35 anos, morreu na madrugada deste sábado, 27, durante operação contra a extração ilegal de madeira em Aripuanã, no Mato Grosso, de acordo com o jornal O Globo.

A PF informou que o delegado e a equipe que estava com ele estavam abordando os caminhões que passavam próximos uma reserva indígena localizada nos arredores do município mato-grossense e um dos caminhoneiros não atendeu à solicitação de parada, jogando o caminhão na direção dos veículos dos oficiais, que revidaram com tiros. Um dos tiros acabou ricocheteando e acertou o delegado.

O ministro da Justiça, Anderson Torres, em uma publicação no Twitter, confirmou o óbito. “É com imenso pesar que recebi a notícia do falecimento do delegado da Polícia Federal Roberto Moreira da Silva Filho, baleado durante uma operação, no Mato Grosso/MT. Meus sentimentos aos familiares e amigos. Grande perda para a nossa PF”.

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal emitiu uma nota afirmando que o caso está sendo apurado pela Superintendência Regional do Mato Grosso.

“Neste momento tão difícil, a ADPF presta as mais profundas condolências à família e aos amigos do colega, que tanto engrandeceu a Polícia Federal com sua dedicação”, diz a organização no comunicado.

Publicações relacionadas