Conheça a história da retirada de peças sacras de um acervo policial | A TARDE
Atarde > Colunistas > A Tarde Memória

Conheça a história da retirada de peças sacras de um acervo policial

A TARDE auxiliou a luta para saída de coleção ligada às religiões afro-brasileiras de unidade da SSP

Publicado sexta-feira, 25 de novembro de 2022 às 19:30 h | Autor: Cleidiana Ramos
Objetos ficavam expostos em meio a armas e outros artefatos relacionados ao crime. Data: 27/8/1988.
Objetos ficavam expostos em meio a armas e outros artefatos relacionados ao crime. Data: 27/8/1988. -

Cleidiana Ramos

Até 1997 uma coleção de peças relacionadas à prática das religiões afro-brasileiras ficou exposta no Museu Estácio de Lima nas dependências do Departamento de Polícia Técnica (DPT).  Um movimento que teve a participação de lideranças do candomblé, com o apoio do Ministério Público, conseguiu retirar as peças do local. Mas em 2010, por um triz, elas não foram novamente expostas. Detalhes desse movimento foram contados por A TARDE, especialmente em duas reportagens de 2010 que denunciaram o retorno e assim ajudaram a impedir essa nova exposição.

As peças serão doadas ao Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia (Mafro-Ufba) pela Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), que assumiu a guarda no lugar da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Essa história está diretamente ligada ao período em que as religiões afro-brasileiras foram perseguidas pela polícia e, por isso, a importância de um tratamento mais adequado para esse acervo como tem acontecido desde a chegada dele ao Mafro.

Conheça mais detalhes sobre essa história na coluna A TARDE Memória, um projeto multimídia do Grupo A TARDE com inserções em A TARDE FM (às sextas-feiras), jornal A TARDE (aos sábados) e Portal A TARDE. O conteúdo de memória social também está no projeto REC hospedado no Youtube. Os dois projetos trazem informações baseadas no acervo do Cedoc A TARDE.

Confira a entrevista do professor Ordep Serra sobre a batalha em apoio ao povo de santo para a retirada das peças do Museu Estácio de Lima na seção do REC intitulada Senta que temos história.

 

REC A TARDE
 

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS