Tesouro da Bahia | A TARDE
Atarde > Opinião

Tesouro da Bahia

Abaeté receberá investimentos de R$ 5 milhões para reformas em equipamentos

Publicado domingo, 24 de março de 2024 às 05:00 h | Autor: Da Redação
Confira o editorial deste domingo
Confira o editorial deste domingo -

A arte de cuidar das belezas e do patrimônio, engajando a gente com a natureza e as culturas, diz bem da competência de um governo, a exemplo da intenção de dar valor ao Abaeté, “a lagoa escura arrodeada de areia branca”.

Cantada em plena baianidade na voz do saudoso Dorival Caymmi, a joia rara receberá investimentos de R$ 5 milhões para reformas em equipamentos como o Centro de Atividades e a Casa da Música, duas boas razões para o projeto.

O efeito é multiplicador quando se sabe da importância de mobilizar os recursos humanos, pois de nada adiantaria a aplicação da verba sem alegrar as pessoas, ao perceberem o trato de um dos lugares mais encantadores da capital baiana.

O plano prevê intervenções nas áreas de lojas, restaurantes, bares, lanchonetes, banheiros, vestiários, áreas de estacionamento, bem como recuperação de estruturas e fechamento de parte do parque, visando segurança, e mais luzes. O acesso a cidadãs e cidadãos com deficiência também será contemplado.

Toda esta proteção ao tesouro, agregado ao mistério e à magia atribuídos ao local, vai reverter em ganho para a economia, seja pela atração de turistas, tanto quanto o aumento do interesse da cidadania em frequentar a colossal maravilha.

O prognóstico justifica a inspiração do povo originário tupinambá, ao chamar os primeiros habitantes do cartão postal de “tribo numerosa, bela e sábia de homens verdadeiros”, capaz de envaidecer a todas e todos quantas amam a Boa Terra da Liberdade.

Além de zelar pelas águas da fascinante e misteriosa lâmina, lavra segundo e belo tento, a equipe do governador Jerônimo Rodrigues, ao anunciar outro edital, “Bahia sem fome”, também relacionado a recursos hídricos.

A iniciativa visa incrementar a produção de alimentos, dando de beber ao gado e às criações espalhadas na zona rural, sofrida com o calor excessivo da super seca assolando os rincões dos territórios abrasados.

Publicações relacionadas