AtlasIntel: Mais da metade dos brasileiros não confia no STF | A TARDE
Atarde > política > Brasil

AtlasIntel: Mais da metade dos brasileiros não confia no STF

Reprovação é maior entre evangélicos e moradores das regiões Sul e Sudeste

Publicado sábado, 10 de fevereiro de 2024 às 12:40 h | Autor: Alan Rodrigues
Suprema corte é considerada ineficiente e parcial pela maioria dos brasilweiros, diz Atlasintel
Suprema corte é considerada ineficiente e parcial pela maioria dos brasilweiros, diz Atlasintel -

Mais da metade da população brasileira não confia no Supremo Tribunal Federal (STF) e nem nos seus ministros. Esse é o resultado da pesquisa Atlasintel, parceira de A TARDE, que avaliou a percepção da população quanto à atuação e a credibilidade dos ministros da mais alta corte do país.

O resultado confirma que a polarização política registrada nas últimas eleições continua orientando a opinião de determinados segmentos, como os evangélicos, e também evidencia diferenças importantes com relação à localização geográfica, renda e instrução.

O levantamento foi feito entre os dias 6 e 9 de fevereiro e colheu as opiniões de 1.509 pessoas através de formulário distribuídos aleatoriamente pela internet em territórios geolocalizados. O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Entre os entrevistados, 50,9% disseram não confiar no trabalho e nos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Um crescimento de 7 pontos percentuais em relação à pesquisa realizada em janeiro do ano passado, quando 44% diziam não confiar nos ministros e na Suprema Corte. Dos que confiam, a variação foi de 47% para 42,3%.

A menor confiança está no ensino médio (56,9%) e entre a população economicamente ativa (56,4%), enquanto a região nordeste concentra o maior percentual de entrevistados que confiam no STF e seus ministros, com 51,2%.

Entre os que manifestam confiança na mais alta corte brasileira e seus integrantes, destaque ainda para os mais jovens, de 16 a 24 anos, com 51,9% e de 25 a 39 anos com 59,9%. Nesse grupo se destacam ainda dois recortes opostos, como os que ganham acima de R$ 10 mil por mês (50,3%) e os que recebem Bolsa Família, com 62,6% de beneficiários que confiam no Judiciário.

Desempenho

O questionário da Atlasintel pediu também que os entrevistados avaliassem o desempenho dos ministros segundo alguns tópicos e o resultado foi extremamente negativo para a corte. Apenas no quesito respeito à Constituição e às leis, a classificação de péssimo não superou os 50% (49%).

Destaque para combate à corrupção (56%), reformas para melhorar o funcionamento do Judiciário e correção de erros e abusos de instâncias inferiores, ambos com 53% de reprovação. De forma geral, as avaliações tiveram pouca variação acima dos 50% e, mesmo nos recortes por faixa etária, renda e instrução, a opinião manifestada se mostrou cristalizada.

Destaque para a avaliação do profissionalismo e competência dos ministros, defesa dos direitos individuais e imparcialidade sobre rivais políticos, que evidencia a presença ainda muito forte da polarização política que marcou as últimas eleições. Nesses quesitos, a região sudeste desponta com avaliações negativas que variam dos 58% a 63% e, entre os evangélicos, de maioria bolsonarista, a avaliação negativa é de 67% a 72%.

AtlasIntel

O Instituto AtlasIntel foi o único a apontar tanto a virada como a vitória do atual governador Jerônimo Rodrigues (PT) sobre o ex-prefeito ACM Neto (União Brasil), nas eleições de 2022. No cenário internacional, cravou os resultados do primeiro e segundo turnos na Argentina e acertou nos cenários das eleições presidenciais da Colômbia em 2022 e nos Estados Unidos em 2020.

Publicações relacionadas