Atores vieram ao Brasil e falaram de música, inspirações e da série

Jamie Campbell Bower e Joseph Quinn foram destaques na quarta temporada da trama

Publicado segunda-feira, 11 de julho de 2022 às 06:30 h | Atualizado em 10/07/2022, 20:13 | Autor: Bruno Santana*
Joseph Quinn como o “metaleiro” Eddie Munson: porque o doidão sempre leva a culpa de tudo?
Joseph Quinn como o “metaleiro” Eddie Munson: porque o doidão sempre leva a culpa de tudo? -

Talvez você já tenha percebido — a julgar pela repercussão nas redes sociais e pela consequente catapulta da canção nas paradas — que Running Up That Hill, sucesso da cantora e compositora britânica Kate Bush lançado em 1985, tem uma função fundamental na história dos episódios recentes de Stranger Things, série arrasa-quarteirões da Netflix cuja quarta (e penúltima) temporada chegou ao fim na última semana.

Mas a música que inspira o título desta matéria serve, também, para descrever a ascensão de dois dos principais destaques da temporada: os atores Jamie Campbell Bower, que interpreta o monstruoso vilão Vecna, e Joseph Quinn, que vive o excêntrico roqueiro Eddie Munson. São ascensões distintas, entretanto: enquanto Bower — que já participou de franquias megapopulares como Harry Potter e Crepúsculo — conquista aqui seu papel de maior destaque até o momento, Quinn faz seu primeiro personagem de alcance global, após um início de carreira centrado em produções televisivas no Reino Unido.

Os dois atores, ambos britânicos de Londres, estão no Brasil para promover a quarta temporada de Stranger Things e participaram esta semana de uma entrevista coletiva com participação de A TARDE.

A conversa girou em torno de temas como a história e os rumos da própria série, as carreiras de ambos os artistas e, inevitavelmente, música. Não é para menos: tanto Bower quanto Quinn têm seus pés, também, no universo musical — o primeiro chegou a ser vocalista de uma banda, Counterfeit, enquanto o segundo é também músico na vida real e tem sua própria página no Spotify, com cerca de dez mil ouvintes mensais.

Quinn, aliás, é responsável por outro momento musical icônico da temporada: quando Eddie faz uma performance apoteótica de Master of Puppets, sucesso do Metallica de 1986, com direito a um solo de guitarra inacreditavelmente complexo. O ator explica que seus talentos com a guitarra foram aproveitados na cena, mas não por completo: "o solo não fui eu [que toquei], mas o resto da música sim", explica Quinn. "A parte em que a música se torna algo do outro mundo, incrivelmente rápida, eu não tinha condições de fazer aquilo, mas eu toquei o restante da canção".

Os atores também foram questionados sobre qual música poderia salvá-los das garras de Vecna, o grande vilão da temporada. Bower, numa gentileza ao colega de elenco, apontou Old and New, composição de Quinn, enquanto o intérprete de Eddie resolveu fugir do universo do rock e citou Up & Down, hit noventista do grupo de eurodance holandês Vengaboys. O ator foi questionado ainda sobre qual canção ele selecionaria se pudesse escolher a trilha sonora para o solo de Eddie: Can't You Hear Me Knocking, dos Rolling Stones, foi a resposta.

Vilões…

 Enquanto o personagem de Quinn é um dos favoritos da temporada pelo seu carisma e pela parceria estabelecida com Dustin (Gaten Matarazzo), Bower está numa esfera completamente diferente: ele interpreta três papéis nos novos episódios de Stranger Things, incluindo o grande vilão da temporada, conhecido como Vecna.

Estar no lado vilanesco da equação em grandes eventos da cultura pop está longe de ser uma novidade para Bower, entretanto: o ator já interpretou personagens como Caius, um dos membros da malévola família de vampiros Volturi, na saga Crepúsculo, e a versão jovem de Gerardo Grindelwald, um dos principais vilões das franquias Harry Potter e Animais Fantásticos.

O ator afirma enxergar uma honra e uma grande oportunidade nessa série de personagens malignos.

"É maravilhoso", classifica Bower sobre interpretar personagens do mal em três das principais sagas das últimas décadas. "Eu sinto que, muitas vezes, os vilões têm uma série de complexidades, verdades, traumas e experiências passadas. Então pela maneira como minha mente funciona, é sempre um desafio interessante, porque eu tenho a oportunidade de mergulhar nesses aspectos. Eu adoro isso, sou obcecado por esse processo, então é quase natural que eu seja convidado para esses tipos de papéis o tempo todo", diz ele, entre risadas.

Ainda sobre o assunto, viralizou na semana passada um vídeo dos bastidores de Stranger Things documentando o processo árduo que Bower precisou passar diversas vezes para se transformar no vilão Vecna — um trabalho extremamente complexo de maquiagem, com horas de duração, que deixou o ator basicamente irreconhecível na pele do horripilante personagem.

Ele conta que atuar sob tantas camadas de próteses tornou necessário buscar outras formas de expressão.

"Um dos principais desafios foi forçar minha energia através da pele falsa que eu estava usando. Eu precisei fazer daquilo a minha própria pele", relata Bower. "Também foi importante garantir que eu mantivesse a mesma fisicalidade entre Henry e Vecna [dois dos personagens interpretados pelo ator na temporada] — os mesmos movimentos, da cabeça especialmente, a mesma marcha, a forma de andar, as mãos… eu passava horas em casa olhando para as minhas mãos com a prótese, sentindo aquela coisa".

…e Heróis

Quinn é muito mais modesto ao descrever a construção que desenvolveu para Eddie: "foi um processo muito livre e direto. Eu só coloquei uma peruca engraçada e fiz uma voz engraçada", brinca o ator.

"Eddie é muito dependente do que está acontecendo no momento, então ele precisa ser uma figura muito espontânea, quase impulsiva e infantil, para que se torne simpática. Esse era meu instinto, então não havia muito o que preparar. Ele só precisava parecer mais novo que eu e não ter um sotaque do sul de Londres", segue Quinn, rindo.

Os atores também são enfáticos quando questionados sobre o que gostariam de ver para os seus personagens na próxima — e última — temporada da série.

"Eu gostaria de ver alguma redenção para Eddie", afirma Quinn: "gostaria de ver o nome dele limpo. E quero um spin-off!", reivindica, fazendo referência à prática de criar novas obras derivadas de outras já existentes.

Bower, por outro lado, tem planos mais ambiciosos: "Vecna claramente tem histórias com personagens nessa temporada, e potencialmente em temporadas anteriores. Então há personagens que eu gostaria de redescobrir da minha própria forma — não necessariamente matar! — e brincar um pouco com eles", conclui.

*Sob supervisão do editor Chico Castro Jr.

Publicações relacionadas