Por carnaval, Jerônimo se une a Bruno Reis: “não vou torcer contra" | A TARDE
Atarde > Carnaval

Por carnaval, Jerônimo se une a Bruno Reis: “não vou torcer contra"

Governador evita polêmica com relação a passarela e destaca oportunidades geradas pela festa

Publicado quinta-feira, 08 de fevereiro de 2024 às 17:19 h | Atualizado em 08/02/2024, 17:34 | Autor: Lula Bonfim e Alan Rodrigues
“Nesse momento ele (Bruno Reis) tem e eu também tenho o desejo de ver o melhor carnaval do planeta acontecer"
“Nesse momento ele (Bruno Reis) tem e eu também tenho o desejo de ver o melhor carnaval do planeta acontecer" -

O governador Jerônimo Rodrigues (PT) procurou evitar qualquer polêmica com o prefeito de Salvador, Bruno Reis (União Brasil), e manifestou toda a sua torcida pelo sucesso do Carnaval, tanto pelo fortalecimento da imagem da Bahia, quanto, principalmente, pela geração de renda.

“Nesse momento ele (Bruno Reis) tem e eu também tenho o desejo de ver o melhor carnaval do planeta acontecer. Um carnaval de paz”, disse Jerônimo, que fez questão de minimizar as críticas quanto à passarela montada para os vendedores ambulantes no circuito Barra-Ondina.

“Essa semana me perguntaram sobre a passarela. Eu não vou torcer contra, gente. Se teve equívoco eu tenho que torcer para que não haja incidente” afirmou o governador, que garantiu não ter interferido na atuação do Corpo de Bombeiros por ocasião da vistoria no equipamento.

Jerônimo agradeceu a Bruno Reis o convite para participar da entrega da chave da cidade ao Rei Momo e destacou o investimento do governo do estado na festa. “Todo mundo sabe que o Carnaval é o município que coordena. Mas nós temos o maior investimento do carnaval, na segurança pública. Depois tem o trabalho que é privado, que é restaurantes, bares, hotéis”, elencou.

Acompanhado do vice-governador Geraldo Junior e outros secretários, Jerônimo manteve um discurso de anfitrião e deixou as diferenças políticas de lado.

“(Estamos) vindo compartilhar da alegria, inclusive, de ter a presença do governador do Rio de Janeiro. Eu não vou perguntar o partido de um ou de outro, o que eu quero é os ambulantes vendendo, os taxistas rodando, os motoboys, os aplicativos, todo mundo aproveitando a oportunidade de fazer a boa acolhida de quem vem do bairro, de quem vem de outro município da Bahia, ou quem vem de fora,

Publicações relacionadas