Local sagrado, a padaria é um patrimônio em qualquer cidade | A TARDE
Atarde > Colunistas > Histórias & Sabores

Local sagrado, a padaria é um patrimônio em qualquer cidade

Em Salvador, as antigas padarias evoluíram contando histórias pessoais e afetivas

Publicado sábado, 23 de abril de 2022 às 16:37 h | Autor: Isabel Oliveira
O pão delicia transformou-se em um clássico que invadiu as padarias
O pão delicia transformou-se em um clássico que invadiu as padarias -

Ao acordamos pela manhã, pelo menos para a maioria dos mortais, ansiamos pelo famoso café com pão, elementos de uma padaria que estão no querer de muita gente. Lembrar-se que dali a poucas horas, ou minutos, vai rolar um pãozinho, uma manteiguinha ou queijinho, acompanhado de um saboroso café, dá um prazer danado e desperta, certamente, todos os sentidos afetivos de qualquer um. 

Quem não ama uma padaria? Objeto de desejo de dez entre dez pessoas. Um exagero, talvez, mas o fato é que este comércio se consolidou há séculos e está no imaginário de muitos. As padarias se estabeleceram como tal, provavelmente, a partir da fabricação milenar do pão e foi implantada como comércio até evoluir para o formato que conhecemos atualmente. As delicatessens talvez sejam o modelo mais moderno do que hoje entendemos como a evolução da padaria, com opções que vão desde o bolo, aos frios, às tortas, dentre outros produtos inimagináveis até há bem pouco tempo num estabelecimento que um dia chamamos de padaria. 

Conta a história que a panificação teve origem no Império Romano, mas o serviço foi introduzido por volta de 300 a.C., quando a profissão do padeiro se estabeleceu. Os pães, à época, eram vendidos nas ruas. Desde então, até chegar ao formato atual, há muita história para contar.  

A panificação teve origem no Império Romano
A panificação teve origem no Império Romano |  Foto: Ag. A TARDE
  

Em Salvador, várias padarias antigas são capazes de contar a história da cidade. Uma delas é a Confiança, no bairro da Calçada, fundada por espanhóis em 1945. O estabelecimento passou para o filho, Alfonso Alban, 80, e hoje pertence ao antigo funcionário que trabalhava no local desde os 11 anos, conhecido como Beijoca, apelido que atualmente dá nome à casa comercial: Padaria do Beijoca. 

Esta história começa dentro de outra história. Rosemildo Araújo Ferreira, o Beijoca, com quase 59 anos, vendia o famoso e tradicional Jornal A TARDE nas imediações do ferry-boat, ainda na pré-adolescência, quando foi chamado, aos 11, para trabalhar em uma das unidades da tradicional padaria Confiança, no bairro da Calçada. 

Beijoca adquiriu a padaria Confiança há três anos, que se transformou na Padaria do Beijoca
Beijoca adquiriu a padaria Confiança há três anos, que se transformou na Padaria do Beijoca |  Foto: Padaria Beijoca/ Divulgação
  

No local, passou por muitas funções. Empacotava o clássico biscoito de coco vendido a granel no estabelecimento e já chegou a ser gerente. Foi lá que ganhou o apelido de Beijoca. Isso porque, conta, “vivia pendurado no pescoço das moças que trabalhavam na padaria. Era uma leva de mulheres distribuídas nos três turnos do local”. Então, um engraçadinho de plantão troçou que ele era muito do beijoqueiro e o apelido pegou. 

Beijoca relata que na padaria não faltava o tradicional pão com manteiga e o pão com ovo; também tinha o pão com Josefina, vendido até hoje como uma das tradicionais receitas do local. Ele também conta que o pão francês ou cacetinho, como chamamos em muitas regiões da Bahia, “não era nada, o povo gostava mesmo era da vara de pão. Também havia o sonho, que hoje em dia perdeu seu status; o lelê, a broa e o café, que todo o mundo adorava e adora até hoje”, conta Beijoca. 

Mas a história do ex-funcionário e agora empresário Beijoca está dentro de outra narrativa. A ex-padaria Confiança pertenceu por muito tempo ao pai de Alfonso Alban. O fundador do estabelecimento levou o filho para trabalhar lá a partir dos 15 anos e Alfonso ficou na padaria até três anos atrás, quando vendeu para Beijoca. Mas o herdeiro da família Alban, filho de sr. Alfonso, não abandonou a panificação. Depois de vender a padaria, Alex Alban segue com uma fábrica de pães. 

Hoje, Alex Alban ajuda o pai e o acompanha na gestão dos negócios desde que concluiu a faculdade. Anos antes, Senhor Alfonso tratou de despertar no filho o interesse pelo negócio. E foi assim que entre os 10 para 11 anos Alex Alban começou a acompanhar o pai no estabelecimento e hoje, aos 47, lembra de muita coisa, além de um episódio que se transformar em anedota.

O sonho também é um clássico 
das padarias
O sonho também é um clássico das padarias |  Foto: Divulgação
  

“Eu acompanhava muito meu pai desde pequeno e geralmente nas férias. Ela falava: “Venha para a padaria.” Eu ficava na produção boleando pão, ajudando o pessoal da produção a pegar os pãezinhos e colocar nas assadeiras”, conta. 

E continua lembrando. “Até hoje o pão é artesanal, não tem muita diferença de antigamente, mas só que atualmente os processos são mais automáticos. Antigamente era de uma forma manual; havia mais gente trabalhando e não havia tantas padarias. A gente atendia gente que vinha da Ilha de Itaparica comprar pão, pois eram raros os estabelecimentos que haviam por lá. Então o volume de pão era muito maior, pois inclusive na cidade baixa não tinha tanta padaria”. 

Ele lembra com carinho do movimento e produtos vendidos no local, que era bastante agitado. “Vendia muito mais broa e havia a tradicional lanchonete, que vendia refrigerantes; havia a máquina de Coca-Cola, Fanta, Sprite e Taí. Os lanches eram os famosos pães na chapa, que têm até hoje. A vara de pão, cuja expressão caiu em desuso, era muito mais comercializada. Hoje, o pão cacetinho de 50g é o que mais se vende. Então, essas eram as características de antigamente que não se usam mais”, conta. 

As lembranças não cessam e uma história engraçada de repente vem à tona. “O movimento maior era às 17h, era grande, faziam filas para comprar o pão, e tinha o pão de vara, que era o clássico. Um dia me meti para atender o cliente. Ele pediu: “Coloca duas varas de pão de sal!”. Mas eu não tinha habilidade nenhuma e fui pegar a vara de sal. Era a primeira vez que iria servir um cliente. Mas em vez de pegar a embalagem primeiro, peguei as varas. Sem saber o que fazer, meti a vara no meio das pernas para segurar, enquanto abria o saco de papel. A cena, por causa das varas entre as pernas, fez o povo inteiro cair na gargalhada”, lembra e comenta o episódio com muito carinho, além de rir muito. 

Atualmente, o pão delícia é o carro-chefe de muitos estabelecimentos em Salvador
Atualmente, o pão delícia é o carro-chefe de muitos estabelecimentos em Salvador |  Foto: Uendel Galter | Ag. A TARDE
  

As padarias evoluíram e os pães geralmente são as estrelas do local, mas, como diz Beijoca, “tivemos que sobreviver e diversificar nossos produtos”. Assim é também na maioria das delicatessens, onde o carro-chefe continua sendo o famoso e tradicional cacetinho. 

“A padaria foi se diversificando ao longo dos anos, seguindo as tendências de outros estados e do exterior. Isso aconteceu para que pudéssemos suprir a necessidade do cliente em todos os momentos de consumo. Brincamos que a padaria vende até pão”, brinca Maria da Conceição, 49 anos, que acompanhou a evolução dos estabelecimentos desde que entrou no ramo. 

  • Assim como as padarias, os produtos também foram se diversificando
    Assim como as padarias, os produtos também foram se diversificando |
  • Ingredientes para o Pão Delícia
    Ingredientes para o Pão Delícia |
  • O pãozinho delícia é um produto que surgiu no mundo contemporâneo
    O pãozinho delícia é um produto que surgiu no mundo contemporâneo |
 

Há cerca de dez anos, ela é sócia da irmã, que também se chama Maria, na delicatessen Marias, no bairro da Cidade Nova, onde trabalham com mais duas irmãs. O pão delícia é o carro-chefe do empreendimento. “É o produto da confeitaria mais vendido na Marias, que está presente em 98% das festas em Salvador. É regional, delicioso, rico em sabor, que combina com todo tipo de recheio: cremes de frango, atum, queijo, brigadeiro, nutella, camponatas, pasta de alho”, conta Maria da Conceição. 

Para Maria, cada dia é um desafio e um dia a conquistar, mas nem por isso deixa de olhar para o próximo. O estabelecimento doa 20% dos produtos das campanhas que realiza para a Igreja Ascenção do Senhor, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), e para a Irmã Violeta, que tem um trabalho voltado para as pessoas vulneráveis em situação de rua na Baixa do Bonfim.  

E a nossa receita deste fim de semana é um dos produtos que surgiram no mundo contemporâneo e caíram no gosto de praticamente 100% da população baiana, que inventou o acepipe: o Pão Delícia. Das festas para o café da manhã, o produto popularizou-se e hoje está em praticamente todas as padarias da cidade. 

Pão Delícia 

Receita para 300 pães de 26g

Ingredientes: 

4kg farinha de trigo 

500g batata cozida 

1 litro de leite 

9 ovos 

800ml óleo de soja 

1 litro de leite condensado 

200g fermento fresco

Modo de fazer:

Cozinhe, descasque, esprema as batatas e reserve. 

Em uma batedeira, coloque todos os ingredientes líquidos: os ovos, o óleo, leite, o leite condensado, misture e bata. Logo depois, acrescente o fermento fresco. Na sequência, coloque as batatas previamente espremidas e bata mais uma vez. 

Em seguida, vá dosando a farinha até que ela fique num ponto que não grude na mão. A massa fica bem leve e líquida, pois ela é bastante hidratada. 

A massa é então retirada do bowl, colocada na bancada para que possa ser boleada (dar formato de uma bola ou barquinha)

Em seguida, unte as assadeiras com óleo e arrume as massas dos pãezinhos. Descanse os pães por 20 minutos e logo depois coloque para assar por sete a dez minutos a uma temperatura de 200ᴼC. Ainda quente, pincele com a manteiga e polvilhe com parmesão ralado.

Bolo com café. Quem resiste a esta dupla em uma delicatessen?
Bolo com café. Quem resiste a esta dupla em uma delicatessen? |  Foto: Divulgação
 

NOTAS COM  HISTÓRIAS & SABORES 

Sanduíche artesanal na The BBurgers
Sanduíche artesanal na The BBurgers |  Foto: Divulgação
 

The BBburgers: hamburgueria de Carlinhos Maia chega ao Shopping da Bahia

O hambúrguer artesanal tem ganhado cada vez mais a preferência do brasileiro e em Salvador não poderia ser diferente. Por isso, para atender a esse público amante da boa comida, a The BBurgers, famosa franquia de lanches artesanais do empresário Carlinhos Maia, vai desembarcar no Shopping da Bahia, na próxima quarta-feira, 27 de abril. A nova unidade ficará na Praça de Alimentação (Piso L3) e contará com  diversas opções de sanduíches para todos os gostos em três linhas: premium, combos e smash, além de hotdog, entradinhas e pratos executivos

Hamburgueres diferenciados no Outback Steakhouse 

Com uma proposta nobre e cheia de sabor, o Outback Steakhouse apresenta o “Double Truffled Burger”, versão que acaba de ser lançada na campanha “Inacreditáveis - Tão Bold Que Nem Parece Verdade”, ao lado de mais dois lançamentos do cardápio da marca. A novidade traz dois burgers de 100g cada no pão tipo brioche, com muito queijo cheddar e bacon crocante. O Double Truffled Burger recebe também o toque das Bloom Petals, da famosa cebola gigante do Outback, além do grande diferencial: uma maionese de sabor único feita com ingredientes nobres e azeite trufado. Uma curiosidade sobre o novo burger é que ele foi o produto mais bem avaliado na história do Outback pelo grupo de pesquisa com clientes, e a maionese trufada foi o ponto alto.

Coffeetown estende serviço de brunch até 14h aos fins de semana e feriado

A Coffeetown Salvador passa a estender no horário de serviço do menu de brunch nas unidades do Corredor da Vitória (CT Bistrô) e Pituba (CT2Go). As opções serão servidas das 8h30 às 14h, aos fins de semana e feriados. De segunda a sexta-feira, os itens continuam sendo servidos até 11h30. Opção de consumo entre o café da manhã e o almoço, o brunch tornou-se uma das marcas registradas da Coffeetown Salvador, que popularizou, nos últimos anos, a refeição na capital baiana.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS