Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > colunistas > LEVI VASCONCELOS
COLUNA

Levi Vasconcelos

Por Levi Vasconcelos

ACERVO DA COLUNA
Publicado Thursday, 28 de September de 2023 às 6:20 h | Autor:

E o turismo baiano vai bem, com Irmã Dulce e também moquecas

Confira a coluna de Levi Vasconcelos desta quinta-feira, 28

Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
Santuário Santa Dulce dos Pobres
Santuário Santa Dulce dos Pobres -

Irmã Dulce foi canonizada no 12 de outubro de 2019. Em 2020, no 1º aniversário estávamos em plena pandemia. Isso atrasou o cronograma de intervenções para qualificar o Largo de Roma como o grande espaço do santuário em Salvador.

Mas ainda assim, Castro Alves já inaugurou um santuário para Santa Dulce e Boa Vista do Tupim também, ambos com intensa visitação.

A situação aí é exposta pelo secretário de Turismo da Bahia, Maurício Bacelar, para dizer que a Bahia é o terceiro estado do Brasil em atração de turistas (atrás de São Paulo e Rio de Janeiro), mas se este ano a Bahia já teve o triplo do crescimento de turistas em relação ao resto do país, ainda pode crescer muito mais.

—O santuário de Irmã Dulce é um diamante que estamos lapidando. É um potencial muito grande.

Baleias

—Ele ressalva que ainda na linha religiosa Salvador tem também a Festa do Bonfim e Conceição da Praia, além da Festa de Iemanjá. No interior, mais em Bom Jesus da Lapa, Monte Santo e Milagres.

Dos mais de 50 segmentos turísticos do estado, liderados por sol e praia, o lado religioso está em franca expansão. Da mesma forma que outros, como o avistamento de baleias.

Diz Maurício que trabalha para qualificar outros espaços, como Iguaí, que tem 180 cachoeiras e lagos. Em suma, ontem foi o Dia do Turismo e a Bahia vai bem. Nesta sexta, tem o 1° Festival de Moqueca Baiana, da Abrasel. É só pedir as bençãos da Santa Dulce e ir lá.

No Prêmio Congresso em Foco as mulheres se saíram melhor

O prêmio de Melhores do Ano 2023 do site Congresso em Foco, anunciado semana passada, revelou um dado curioso. Os baianos não foram bem, mas entre as cinco mulheres dos 39 deputados federais os três melhores desempenhos foram delas.

Alice Portugal (PCdoB), a melhor colocada entre os 100 primeiros teve o melhor desempenho, ficou em 33º lugar, com Lídice da Mata (PSB) no 59º e Ivoneide Caetano (PT) no 76º. Roberta Roma (PL) e Rogéria Santos (Republicanos) não pontuaram.

Entre os homens, Zé Neto (PT) ficou no 82º lugar, Daniel Almeida (PCdoB) no 96º e Valmir Assunção (PT) no 99º.

O prêmio tem a participação de jornalistas que cobrem o Congresso, mas a votação é online, o que faz prevalecer o pessoal do sul, mas a citação, segundo alguns deputados, ‘é sempre bom’. Outro não ligam.

Júnior Muniz grato a Caetano

Em pronunciamento na tribuna da Assembleia anteontem o deputado Júnior Muniz (PT) disse que foi a Camaçari na festa de aniversário de Luiz Caetano, ex-prefeito, agora secretário e prefeiturável para 2024 e se surpreendeu.

— A festa de aniversário virou festa de largo.

Mas em Camaçari se diz que Júnior cresceu muito mais. Em 2018, teve 538 votos lá. Ano passado, com apoio de Caetano, 15.712.

Laerte, o lamento por não ter dado apoio a Jerônimo

Na passagem de Jerônimo por Quijingue, na semana passada, o deputado Laerte de Vando (PSC), que é de Monte Santo, a área maia árida do semi-árido baiano, deu entrevista lamentando não ter apoiado Jerônimo nas eleições do ano passado.

Hoje na base do governo, ele corrobora a tese que prevalece entre os deputados, ‘ser oposição é dose para uma manada de elefante’.

— Não é só porque a gente fica sem canal para reivindicar, é também porque nada anda bem, e muita coisa trava.

Em 2020, a prefeita Silvânia Matos (PSB) derrotou o ex-prefeito Vando, pai de Laerte. Ano que vem lá será briga entre governistas.

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Assine a newsletter e receba conteúdos da coluna O Carrasco