Em Luís Eduardo, o paraíso do agronegócio, Oziel está na frente

Publicado quinta-feira, 08 de outubro de 2020 às 06:04 h | Atualizado em 07/10/2020, 21:32 | Autor: [email protected]

Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, a capital do agronegócio, é um dos quatro municípios baianos em que Bolsonaro venceu em 2018. Também há outra exceção de peso: Rui Costa, em 2018, tornou-se o primeiro petista na história a vencer lá, um ninho da direita.

É nesse contexto que Oziel Oliveira (PSD), o prefeito, marido da deputada estadual Jusmari Oliveira e aliado de Rui, lidera a pesquisa A TARDE/Potencial, com 35%, contra 30% do empresário Júnior Marabá (DEM).

Oziel não vinha bem, mas, ao que a pesquisa indica, com obras como 15 escolas top, com internet e ar-condicionado, reagiu.

Surpreende também o Comandante Rangel (PSL), o bolsonarista do pedaço, que perdeu o bonde: tem 1%.

Sem surpresas — Comandante Rangel, dono de uma fábrica de aviões fechada em 2014 por Dilma junto com outras 40 congêneres pelo país, disputou o Senado pelo PSL em 2018 e, no embalo de Bolsonaro, logrou um feito espetacular: teve 15.091 votos, mais que os 15.002 de Jaques Wagner (PT) e os 12.045 de Ângelo Coronel (PSD), os eleitos, embora o mais votado tenha sido Irmão Lázaro (PSC), com 17.711 votos.

No fim de julho, quando Bolsonaro desembarcou em Barreiras para ir a Campo Alegre de Lourdes, fez questão de cumprimentá-lo quando o viu. Deu chabu. A pesquisa mostra que a briga é mesmo Oziel x Júnior Marabá.

Encontro com empresários

Fieb, Faeb e Fecomércio, as federações que congregam líderes da indústria, agronegócio e comércio na Bahia, vão reunir  dia 21 cinco dos nove prefeituráveis de Salvador, Bruno Reis (DEM), Major Denice (PT), Olívia Santana (PCdoB), Isidório (Avante) e César Leite (PSDB), para dialogar com eles das 9h ao meio-dia pelo YouTube.

O encontro, tradicional, por conta da pandemia, vai ser online. Para quem reclama do cancelamento do debate na Record, já ajuda.

Tom, outro de Feira cassado

Em matéria de representação na Assembleia, o time que emergiu nas urnas de 2018 em nome de Feira de Santana se estrepou.

Além de Targino, o deputado Pastor Tom (PSL) também está cassado, por ter perdido o prazo de filiação partidária, decisão, aliás, há 90 dias sem cumprimento por questões burocráticas.

Só resta José de Arimatéia (Republicanos). 

Em 2002, Feira bateu o recorde. Elegeu seis.

Os suplentes na espreita

O TSE ainda não completou o julgamento do caso Targino. Ainda vai julgar, semana que vem, se os 67.174 votos dados a ele em 2018 serão válidos ou anulados.

Se validar, o primeiro suplente da coligação, Tiago Correia (PSDB), se efetiva e Carlos Geílson, que hoje é candidato a prefeito de Feira pelo Podemos e aliado de Targino, fica na espreita. Se anular, quem sobe é Ângelo Almeida (PSB), também de Feira. É obra do acaso, mas fica tudo em casa.

Targino nadou, nadou e acabou esmagado no TSE

Dizem na Assembleia que o deputado Targino Machado (DEM), anteontem cassado pelo TSE, normalmente um franco-atirador que dispara pesado para todos os lados, caiu pela boca. Explicando: lá um dia ele subiu na tribuna da Assembleia e bateu pesado no secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa. Dizem que foi aí o começo do tropeço. Ele foi acusado de  usar a sua clínica, em Feira, para fazer política. Pedia título de eleitor para atestar a residência em Feira e até a quitação com a Justiça Eleitoral.

O certo é que a denúncia, bem documentada, foi encaminhada ao SUS e de lá para a Justiça.

Targino diz que foi retaliação política, mas a questão é outra: a denúncia procede ou não? Perdeu feio, de 7 a 0. E dançou.

REGISTROS

Juízo digital

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou ontem ato normativo que autoriza os tribunais a implementarem o “Juízo 100% Digital” para executar atos processuais exclusivamente por meio eletrônico e remoto. É uma revolução.

Filhos de Gandhi

A estátua andante de Mahatma Gandhi, a ser inaugurada hoje por ACM Neto no Comércio, foi doada para Salvador pelo governo da Índia, via embaixada no Brasil. Se diz aqui que é um reconhecimento dos indianos para os nossos Filhos de Gandhi, tradicional bloco carnavalesco.

De olho nos bichos

A Promotoria de Justiça Especializada em Meio Ambiente, em Jacobina, na Chapada, doou 13 câmeras fotográficas do tipo ‘Trap’ ao Instituto Água Boa. A entidade monitora a fauna na região. As câmeras, equipadas com sensores de movimento e infravermelhos, capturam fotos ou vídeos de animais com o mínimo de interferência humana.

É fogo

E por falar em Chapada, os incêndios que tanto infernizam o Pantanal e o oeste baiano chegaram lá. Estão forte em Mucugê e Andaraí.

Publicações relacionadas