Programa qualifica 200 fornecedores | A TARDE
Atarde > colunistas > Tempo Presente

Programa qualifica 200 fornecedores

Projeto é promovido pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL)

Publicado quinta-feira, 04 de janeiro de 2024 às 06:31 h | Autor: Da Redação
Iel Feira de Santana
Iel Feira de Santana -

Além de geração de emprego e renda para um maior número de baianos, a capacitação de fornecedores vem produzindo maior confiabilidade ao atrair investimentos.

Este é o pressuposto por trás do programa de qualificação promovido pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), atualmente registrando o robusto cadastro de 200 empreendedores sediados no Estado.

Entre os destaques, estão relacionadas companhias das mais diversas áreas como a petrolífera Acelen, a de celulose, Veracel, e as mineradoras Ferbasa, Bamin e Equinox Gold.

Depois de atender estas cinco grandes empresas com o programa de qualificação de fornecedores em 2023, o IEL busca incluir outras três indústrias este ano, a terem seus nomes divulgados em breve.

"É uma iniciativa muito importante para a grande empresa, pois precisa identificar potenciais fornecedores locais, para desenvolvimento e acompanhamento, facilitando o acesso aos grandes compradores", defende a superintendente do IEL Bahia, Edneide Lima.

O trabalho, acrescenta Lima, visa também incentivar a governança ambiental, social e corporativa, mais conhecida pela sigla “ESG”, resultando em maior responsabilidade na gestão dos produtos e serviços.

A ideia é aumentar a competitividade, promover melhorias na gestão e na eficiência na entrega de insumos e suprimentos, estimulando a geração de negócios, além de impulsionar a economia e o desenvolvimento regional.

Criado em 2005, o programa já qualificou mais de 500 empresas no estado, certificou mais de 200 fornecedores e promoveu o relacionamento de bons negócios de pequenas e médias empresas com grandes indústrias.

Apoio a portadores de TEA

O vereador Alberto Braga (Republicanos) apresentou um projeto de indicação ao prefeito Bruno Reis, solicitando atendimento aos filhos portadores de Transtorno de Espectro Autista (TEA), de mães que frequentam a Casa da Mulher Brasileira. O equipamento foi inaugurado em 19 de dezembro.

"É importante que a Casa da Mulher Brasileira atenda também as crianças portadoras do Transtorno de Espectro Autista, filhas das mulheres que frequentam o espaço, que necessitam de um acompanhamento especial, de forma integral, e que possam ter um atendimento psicossocial", explicou Alberto.

Nova diretriz força MEI a adaptação

O ano começa com a vigência da nova diretriz para exclusão de um conjunto de 34 atividades da categoria MicroEmpreendedor Individual (MEI), algumas delas de grande demanda para os pequenos negócios.

A lista divulgada, ainda antes do final de 2023, surpreendeu parte significativa dos cadastrados, tendo agora de buscar a necessária adaptação de funções anteriormente previstas no sistema.

Entre os ofícios retirados da relação, está o de tosador de animais domésticos, agente funerário, fabricante de sabões, produtos de perfumaria, limpeza e desinfetantes, além de esteticista de animais domésticos e até editor de jornais.

A súbita alteração vem estimulando a criatividade de profissionais, ao tentarem ingresso no sistema optando por atividades as mais próximas possíveis de sua proposta original, mas atenção: a tática pode ser interpretada como fraude.

Algumas das principais condições para quem quer tornar-se um MEI, no entanto, estão mantidas, ao menos provisoriamente, como o teto de receita bruta anual.

O limite de faturamento permanece em R$ 81 mil, equivalentes a cerca de R$ 7 mil por mês, mas há um Projeto de Lei Complementar tramitando no Congresso, com o objetivo de elevar este total para R$ 180 mil.

Este PL a voltar a pauta de debate entre os parlamentares, tão logo termine o recesso, abre brecha também para a troca de ideias acerca da contratação de apenas um único e escasso colaborador, mesmo se a demanda por clientes indicar a necessidade de reforçar o quadro.

Categorias como as dos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, entre outras, também estão excluídos do regime MEI, mas há controvérsias entre os profissionais representados por seus órgãos e conselhos de classe.

Publicações relacionadas