Nasa transporta megafoguete lunar para plataforma de lançamento

O foguete SLS passa testes por finais antes do primeiro voo da missão Artemis 1 não tripulada ao redor da lua

Publicado quinta-feira, 17 de março de 2022 às 21:42 h | Atualizado em 17/03/2022, 22:35 | Autor: AFP
Foguete lunar de última geração da Nasa
Foguete lunar de última geração da Nasa -

O novo foguete gigante da Nasa iniciou sua primeira transferência para uma plataforma de lançamento nesta quinta-feira, 17, para passar por uma série de testes que, se bem-sucedidos, permitirão que ele viaje para a Lua neste verão (inverno no Brasil).

O foguete SLS saiu do edifício de montagem do Centro Espacial Kennedy na Flórida às 17h (18h no horário de Brasília) e levará onze horas para chegar, transportado por um enorme veículo, ao lendário complexo de lançamento 39B, localizado a pouco mais de seis quilômetros de distância.

Com a cápsula Orion em sua ponta, o SLS tem 98 metros de altura, mais alto que a Estátua da Liberdade, mas um pouco menos que os 110 do foguete Saturno V, que enviou o homem à Lua durante as missões Apollo.

No entanto, o SLS terá um impulso de 39,1 meganewtons, 15% a mais que o Saturno V, tornando-o o foguete mais potente do mundo. "É um símbolo do nosso país", disse a jornalistas Tom Whitmeyer, um alto funcionário da Nasa.

Um símbolo, porém, acompanhado de uma fatura de 4,1 bilhões de dólares por lançamento para as primeiras quatro missões Artemis à Lua, ressaltou o inspetor-geral da agência espacial americana, Paul Martin, perante o Congresso este mês.

Após a chegada à plataforma de lançamento, os engenheiros terão cerca de duas semanas para realizar uma série de testes antes de um ensaio geral de pré-lançamento.

Em 3 de abril, a equipe do SLS colocará mais de três milhões de litros de combustível criogênico no foguete e repetirá cada etapa da contagem regressiva até os últimos 10 segundos, sem ligar os motores.

O foguete será então desabastecido para uma demonstração de lançamento abortado em condições seguras.

Para a Lua e além

A Nasa prevê uma primeira janela de lançamento em maio para Artemis 1, uma missão lunar não tripulada que será a primeira a combinar o foguete SLS com a cápsula Orion.

O SLS primeiro colocará Orion na órbita terrestre baixa,  antes de realizar uma "injeção translunar". Esta manobra é necessária para enviar Orion a mais de 450 mil quilômetros da Terra e quase 64 mil da Lua, mais longe do que qualquer outra nave tripulada já foi.

Durante sua missão de três semanas, Orion implantará 10 satélites chamados CubeSats, do tamanho de uma caixa de sapatos, que coletarão informações sobre o espaço profundo.

A cápsula viajará para o lado escuro da Lua usando seus propulsores fornecidos pela Agência Espacial Europeia (ESA), e então retornará à Terra, especificamente ao oceano Pacífico, na costa da Califórnia.

Para ver um voo de teste tripulado, será preciso esperar pela Artemis 2, programada para 2024, quando a cápsula dará a volta na Lua, sem pousar nela. Já a Artemis 3, prevista para 2025, levará a primeira mulher e a primeira pessoa negra ao solo lunar, no polo sul do satélite.

A Nasa quer testar na Lua algumas tecnologias que deseja utilizar durante suas futuras missões a Marte, na década de 2030.

Publicações relacionadas