PF analisa PCC como chefes da facção que ocupam a elite

Publicado sexta-feira, 02 de outubro de 2020 às 15:29 h | Atualizado em 02/10/2020, 15:49 | Autor: Da Redação

O Primeiro Comando da Capital (PCC) é uma multinacional e seus chefes em liberdade, ostentam uma vida de luxo. A análise é da Polícia Federal (PF), baseada em investigações recentes. As informações são do Uol.

O delegado coordenador geral de repressão às drogas, armas e facções criminosas da PF, Elvis Secco, afirmou, em entrevista ao Uol, que está acontecendo uma "Lava Jato do PCC".

“Temos, sim, uma Lava Jato do PCC. O objetivo da Polícia Federal é fazer com que essa operação tenha fases. Para área de tráfico de drogas, temos o mesmo objetivo que investigue crimes de corrupção. É desenvolver fases da investigação”, disse.

Ocorreram cinco operações contra a facção durante dois meses. Segundo Secco, em uma primeira fase da Lava Jato do PCC, foi identificado núcleo financeiro e patrimônio dos líderes. Agora, é preciso verificar a documentação apreendida e, a partir disso, traçar um intuito para que outras fases sejam desencadeadas. "Assim como foi feito no caso da Lava Jato."

Para a PF, o objetivo da organização criminosa é a lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas. O delegado entende que a PF não possui ambição de atingir pequenos traficantes, mas sim de atingir os chefes deles, seguindo o rastro do dinheiro lavado dentro e fora do país.

"No caso da Lava Jato você tinha a corrupção e desvio de verba pública. No caso dessa operação [contra o PCC], há como antecedente o tráfico de drogas", afirmou o delegado.

Segundo os procuradores antimáfia da Calábria, região sul da Itália, que investigam ligação entre o PCC e a máfia italiana 'Ndrangheta, o que distingue o PCC da organização criminosa italiana é o mapeamento da influência na política.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) aponta que mais de 70 empresas lavaram R$32 bilhões para o PCC, em quatro anos.

"É uma organização criminosa. A maior do Brasil, a maior da América Latina. Não é mais um grupo nacional. É um grupo que age em todo o mundo. Está no mesmo patamar das maiores organizações criminosas do planeta", apontou Elvis Secco.

"A Polícia Federal iniciou essa ação estratégica e institucional contra as organizações criminosas, notadamente contra o PCC, cujo objetivo é o seu enfraquecimento. E esse enfraquecimento vai vir através de grandes operações que visam a lavagem de dinheiro. Ou seja, complexas investigações de lavagem de dinheiro", concluiu o delegado.

Publicações relacionadas