Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > PORTAL MUNICÍPIOS
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
25/05/2023 às 6:30 • Atualizada em 25/05/2023 às 7:50 - há XX semanas | Autor: Alan Rodrigues

CADERNO MUNICÍPIOS

Interiorização da indústria avança na Bahia

Empresas se estabelecem no interior do estado atraídas por incentivos governamentais

Veracel produz papel e celulose, em Eunápolis
Veracel produz papel e celulose, em Eunápolis -

Depois de algumas tentativas de formação de polos industriais localizados em cidades estratégicas, dos quais nem todos vingaram, a pulverização e diversificação impulsionam o avanço da indústria no interior da Bahia.

Algumas empresas se estabelecem em determinadas regiões atraídas por incentivos governamentais ou, simplesmente, devido à vocação natural dos municípios envolvidos. É claro que infraestrutura e logística também contam, mas, fora dos grandes pólos a industrialização também avança a passos largos.

A disponibilidade de terras oferece ampla possibilidade de cultivo para a agroindústria, e não apenas para o cultivo de grãos. Novas tecnologias, investimento em mecanização e desenvolvimento de geração de energia sustentável e mais barata também contribuem para o avanço da indústria no estado.

Titular da Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), Ângelo Almeida, destaca o perfil da indústria baiana. Dados da secretaria, coletados em parceria com a Federação das Indústrias da Bahia (Fieb) e Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), comprovam que são os micro e pequenos empreendedores os responsáveis pelo avanço da industrialização.

Das 17 mil indústrias registradas na Bahia, 93,4% são micro e pequenas empresas, segundo a SDE. “De 2021 a 2002 foram 99.300 novos registros abertos, fazendo nosso setor de micro e pequenos empreendedores chegar a 1.120.900 pequenos empreendedores industriais, uma quebra de recorde”, festeja o secretário.

Boa parte desses empreendimentos foram viabilizados através de políticas públicas e também pela ampliação de oferta de energia limpa, primeiro eólica, no governo Jaques Wagner, e, na sequência, a solar, durante as gestões de Rui Costa, de acordo com o secretário.

“A energia eólica e solar puxou esse crescimento. Podemos citar a indústria calçadista, que direcionou muito investimento para o interior, as próprias agroindústrias, com o investimento do estado consolidou com o surgimento da SDR (secretaria de desenvolvimento rural) a expansão para o interior”.

A produção de alimentos é apontada como a principal atividade industrial presente em quase todo o estado. Segundo Danilo Peres, gerente de Estudos Técnicos da Fieb, essa presença pode ser medida pelo registro de grandes empresas.

Um bom exemplo é a agroindústria de grãos, estruturada no oeste baiano em torno do cultivo da soja, algodão e milho, com grandes multinacionais como Bungee e Cargill, ou ainda, no norte, em Juazeiro, onde a Agrovale projeta uma colheita, este ano, de 1,9 milhão de toneladas de cana.

Colheita que será revertida em 150 mil toneladas de açúcar, 56 milhões de litros de etanol e a geração de 50 Megawatts de energia. Grandes multinacionais de laticínios e refrigerantes, além de frigoríficos (Nestlè, Pepsi e Avipal), também se utilizam do grande potencial logístico de Feira de Santana para distribuir sua produção.

A Dass, indústria de calçados, possui plantas em cinco municípios. Itaberaba, Vitória da Conquista, Iguaí, Santo Antônio de Jesus e Santo Estevão. Somente em Itaberaba, a empresa responde por 4 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos, segundo a Prefeitura local. A Tarde buscou contato com a Dass, mas devido a um “momento de indefinições econômicas, políticas e jurídicas”, a empresa preferiu não se manifestar.

Outro exemplo de um pólo industrial consolidado são as fábricas de bebidas instaladas em Alagoinhas. A qualidade da água disponível no aquífero São Sebastião é um atrativo natural para cervejarias e empresas produtoras de sucos, refrigerantes e água mineral, claro.

Apesar de dificuldades enfrentadas pelo grupo Petrópolis, que pediu recuperação judicial, a cadeia produtiva estruturada em torno da água do município emprega e gera riqueza.

Somente de cerveja, são produzidos 13,8 milhões de hectolitros (1,38 bilhões de litros) produzidos anualmente, gerando cerca de 2 mil empregos, entre diretos e indiretos, movimentando um entorno de empresas envolvidas na produção de caixas plásticas, mesas, cadeiras, tampinhas metálicas e latas de alumínio.

Em Ilhéus, das 50 empresas que chegaram a integrar o pólo de informática, cerca de 20 ainda sobrevivem, mas com boas perspectivas. Atualmente, o setor emprega de 2,5 a 3 mil trabalhadores, chegando a 6 mil com os indiretos.

Sílvio Comin, diretor da Daten e presidente do Sinec, Sindicato das Indústrias de Informática e Eletrônica de Ilhéus e Itabuna, festeja a renovação do decreto governamental de 1995 que garante redução de ICMS para o setor e relata uma demanda crescente.

“O principal desafio hoje é nos manter competitivos e atrair novas empresas”, diz Comin, que vê na presença de um Instituto Federal de duas universidades com cursos voltados à área de tecnologia como um diferencial no desenvolvimento de novos sistemas e produtos, que se traduziu num crescimento de 61,9% em 2022.

Pelos municípios

Mas, a despeito dos números impactantes e da concentração desses polos, a produção, segundo Peres, está pulverizada em vários municípios, em sua maioria com empresas de menor porte e processos de produção menos elaborados.

Nesse perfil se encaixam as vinícolas do vale do São Francisco, indústrias de plásticos e detergentes em Vitória da Conquista, além de uma vasta variedade de itens. “À exceção do oeste, são todas empresas baianas, ao contrário das indústrias instaladas na Região Metropolitana de Salvador”, afirma Peres.

Um caso de sucesso é a indústria de biscoitos Itália, que há 43 anos opera em Feira de Santana, vendendo para toda a região do entorno. Segundo o diretor Geraldo Pires, a pandemia não afetou a produção, pelo contrário.

Este ano, apesar de uma leve queda nas vendas no primeiro trimestre, a empresa projeta crescimento e espera produzir 4,2 mil toneladas das quatro linhas de biscoito da empresa, além de salgadinhos de milho. Com 80 funcionário, a pequena indústria planeja expandir em 50% a capacidade de produção a a partir do segundo semestre, com investimento aproximado de R$ 2 milhões.

Para acompanhar o crescimento das indústrias no interior e contribuir com o surgimento de novas empresas, a Fieb promoveu a expansão dos Núcleos de Apoio ao Crédito (NAC/Fieb) para seis regiões da Bahia.

Além de Salvador, Feira de Santana, Ilhéus, Jequié, Vitória da Conquista, Barreiras e Juazeiro passaram a contar com os serviços voltados especialmente para as pequenas indústrias. Por meio do NAC, o empresário é orientado sobre as várias linhas disponíveis com condição melhor do que o que é oferecido normalmente no balcão dos bancos.

“O NAC talvez seja uma das ações mais importantes da Fieb porque o crédito no Brasil é uma via crucis”, define o empresário Waldomiro Araújo Filho, proprietário da WUniformes, do segmento têxtil. “O pequeno empresário nunca consegue tomar um crédito de qualidade se não for agregado a um serviço que não interessa para ele”, detalha Araújo.

Assuntos relacionados

Desenvolvimento Econômico fieb sebrae

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Desenvolvimento Econômico fieb sebrae

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Desenvolvimento Econômico fieb sebrae

Publicações Relacionadas

A tarde play
Veracel produz papel e celulose, em Eunápolis
Play

Irmãos, cunhada e primos de Zito Barbosa são secretários em Barreiras

Veracel produz papel e celulose, em Eunápolis
Play

Prefeitura de Ipirá mantém ônibus escolar sucateado após denúncias

Veracel produz papel e celulose, em Eunápolis
Play

Prefeito 'vira' whisky no palco e transmissão sai do ar; vídeo

Veracel produz papel e celulose, em Eunápolis
Play

Motoristas na Rodoviária se revoltam com Transalvador: "Indignada"

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA