Futebol feminino: avanços na área incentivam jovens na Bahia; veja | A TARDE
Atarde > A TARDE Play

Futebol feminino: avanços na área incentivam jovens na Bahia; veja

A TARDE Play produziu uma reportagem sobre a importância da copa feminina para jovens atletas

Publicado sexta-feira, 11 de agosto de 2023 às 10:21 h | Atualizado em 11/08/2023, 10:49 | Autor: Vagner Ferreira | A TARDE Play
Iniciativas como o Resiliência Futebol Feminino desempenham um papel fundamental
Iniciativas como o Resiliência Futebol Feminino desempenham um papel fundamental -

Em sintonia com a Copa Feminina de Futebol, que fez aumentar significativamente o número de notícias envolvendo mulheres no esporte, o A TARDE Play produziu uma reportagem para tratar sobre o avanço das informações e da representatividade feminina em campo, um local que, por muitos anos, foi predominantemente masculino. 

Espaços como os campos de futebol têm sido almejados por muitas meninas. Quando o assunto é seleção, a percussionista do Repiquesia, Helaine Santos, pede: “Olhar com carinho para a seleção e, de uma forma geral, para as mulheres que estão em ambientes de sua maioria masculina. É incentivar desde a base, é servir de espelho e ser referência para outras meninas e outras mulheres que queiram ocupar esses espaços, pois temos capacidades sim, não é atoa que mostramos na prática que podemos”.

Iniciativas como o Resiliência Futebol Feminino, de futebol de base, em Areia Branca, em Salvador, desempenham um papel fundamental na promoção e no incentivo ao jogo. 

“A gente via essa galerinha jogando bola, muitas vezes, no meio do masculino. Mas, ter um projeto totalmente feminino ainda é algo mais difícil. Iniciamos em maio de 2022, um torneio completamente feminino na nossa região e a gente ali deu o pontapé inicial. A gente sabe que não é fácil. Começar todo mundo começa, mas manter é mais complicado e estamos ali até hoje”, descreve Edi Carlos, Coordenador do Resiliência Esporte Clube.

“Antigamente a gente não podia escolher, a gente era onde? Na cozinha. E da cozinha a gente não passava”, descreve Maiara Silva, jogadora e participante do Resiliência Esporte Clube. “Eu penso assim, o Resiliência longe, ‘as meninas vão para outro time’, vão crescer, vão, mas o Resiliência tem que crescer também”, continua Maiara.

A reportagem foi gravada na rua 13, na Federação, e conversou também com outras atletas, jogadoras, telespectadoras e pessoas que defendem e promovem a igualdade no cenário esportivo.

Assista ao vídeo completo:

 

A TARDE Play
  

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS