Palacete Tira-chapéu vai virar centro de gastronomia no Centro

Com obras a todo vapor e focadas em restauração, construção do século 19 deverá dar novos ares à região

Publicado sábado, 26 de março de 2022 às 18:38 h | Atualizado em 26/03/2022, 18:40 | Autor: Priscila Dórea*
Palacete Tira-chapéu  foi concebido em 1917 pelo arquiteto italiano Rossi Baptista
Palacete Tira-chapéu foi concebido em 1917 pelo arquiteto italiano Rossi Baptista -

Com obras a todo vapor focadas em sua restauração, o Palacete Tira-Chapéu - e seu centro gastronômico -, está com a previsão de abertura marcada para o verão de 2023. A construção do século 19, localizada na esquina da Rua Chile com a Rua do Tira Chapéu, está se propondo a dar novos ares para a Rua Chile, que era conhecida pelo comércio movimentado e de 'gente rica' em seus tempos áureos até a década de 60, mas que hoje só costuma ser lembrada durante o carnaval, mesmo sendo uma das 'portas' para o Centro Histórico de Salvador.

“A nossa escolha pelo Palacete partiu principalmente da localização. A Rua Chile, nos anos 30 e 60, era uma área de comércio movimentado e acreditamos que projetos como este podem ajudar a promover a região de volta a essa época. Dar nova vida a construções históricas tem sido nossa escolha e vocação, pois entendemos o impacto positivo que esse tipo de restauro tem para a população. A expectativa é que o Centro Gastronômico do Palacete Tira-Chapéu gere cerca de 200 empregos, que darão prioridade para moradores do Pelourinho e Barroquinha”, explica o diretor de novos negócios da Fera Investimentos, Paulo Marques, grupo que adquiriu o prédio.

O nome Palacete Tira-Chapéu é em homenagem a Rua do Tira Chapéu
O nome Palacete Tira-Chapéu é em homenagem a Rua do Tira Chapéu |  Foto: Divulgação
  

A construção foi concebida em 1917 pelo arquiteto italiano Rossi Baptista e foi construída para abrigar a sede da Associação dos Empregados do Comércio da Bahia, instituição fundada em 1900. O nome Palacete Tira-Chapéu é em homenagem a Rua do Tira Chapéu, que por sua vez ganhou esse nome porque,  no século 19, em saudação e respeito ao Palácio do Governo (atual Palácio Rio Branco) que podia ser avistado logo à frente, as pessoas tiravam o chapéu. Durante a década de 30 e até final da 60, toda a Rua Chile era povoada por lojas ‘chiques’ e de ‘rico’, que vendiam de roupas a móveis.

“A Rua Chile era um lugar que vendia coisa fina, um lugar que a alta sociedade de Salvador frequentava muito, mas que toda a cidade ia lá passear, quase um shopping. Lembro de algumas lojas, que sumiram depois, como a Sloper, Lido, Sapatos Clark e a Duas Américas, a primeira com escada rolante. Tinha também o Edifício Fernandez, com várias lojas e lanchonetes dentro. Era um lugar muito movimentado, bem diferente de hoje, o que eu até acho estranho, porque fica perto do Elevador Lacerda e do Pelourinho, né? Tem sempre muito turista nessa área. Então torço para que essa obra dê mais vida pra rua”, afirma a aposentada Ana Márcia Souza, 68 anos, que conheceu os arredores movimentados do Palacete quando criança.

Operários trabalham a todo vaor na restauração do palacete
Operários trabalham a todo vaor na restauração do palacete |  Foto: Divulgação
  

E as expectativas da aposentada parecem se alinhar aos objetivos do restauro do Palacete, pois o diretor da Fera Investimentos acredita que, ao trazer mais movimento para essa região com o empreendimento, outros empresários e investidores podem criar interesse no entorno. "No próximo verão iremos abrir o térreo com o Centro Gastronômico, mas entendemos que precisamos entrar no mercado, então o primeiro e segundo pavimentos atenderão serviços mais rebuscados futuramente, seguindo o que o entorno for pedindo. A ideia é que o Palacete Tira-Chapéu seja uma âncora de atração para o público local, pois estamos pensando nos soteropolitanos, mas também queremos que ele e a Rua Chile se tornem referência de destino gastronômico para os turistas”, explica Paulo Marques.

*Com supervisão da editora Hilcélia Falcão

Publicações relacionadas