Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > bahia > SALVADOR
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
09/05/2024 às 21:03 - há XX semanas | Autor: *Da Redação | Portal Massa!

SALVADOR

Paralela lidera lista de avenidas com mais mortes em Salvador

Já foram registrados acidentes com uma vítima e outras 90 feridas na Paralela em 2024

Transalvador lista avenidas com mais acidentes fatais em Salvador
Transalvador lista avenidas com mais acidentes fatais em Salvador -

Em balanço divulgado pela Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador), a Avenida Luís Viana, mais conhecida como Paralela, está em primeiro no top 5 de avenidas em número de acidentes fatais na capital baiana.

A Avenida Afrânio Peixoto, Avenida Antônio Carlos Magalhães, Avenidas Octávio Mangabeira e Avenida Tancredo Neves completam a lista.

Em 2024, já foram registrados acidentes com uma vítima fatal e outras 90 feridas na Avenida Paralela. Já no ano de 2023 foram 359 registros, sendo deste número 5 vítimas fatais e 354 feridos.

Na segunda posição, com 6 vítimas fatais, em 2022 e 10 em 2023, surge a Avenida Afrânio Peixoto. Embora não tenha contabilizado óbito em 2024, 58 pessoas ficaram feridas em acidentes.

Por fim, aparecem as Avenidas Octávio Mangabeira e Avenida Tancredo Neves, respectivamente. Neste ano, a primeira registrou 28 feridos em acidentes, enquanto a segunda, 32.

Veja abaixo balanço das avenidas abaixo:

Ano de 2024 (parcial)

> Avenida Luís Viana Filho (Paralela) - 90 vítimas não fatais e 1 morte;

> Avenida Afrânio Peixoto (Suburbana) - 58 vítimas não fatais, sem mortes;

> Avenida Antônio Carlos Magalhães (ACM) - 43 vítimas não fatais e 2 mortes;

> Avenida Tancredo Neves - 32 vítimas não fatais, sem mortes;

> Avenida Octávio Mangabeira (Orla) - 28 vítimas não fatais, sem mortes;

Ano de 2023

> Avenida Luís Viana Filho (Paralela) - 354 vítimas não fatais e 5 mortes;

> Avenida Antônio Carlos Magalhães (ACM) - 214 vítimas não fatais e 5 mortes;

> Avenida Afrânio Peixoto (Suburbana) - 202 vítimas não fatais e 10 mortes;

> Avenida Octávio Mangabeira (Orla) - 138 vítimas não fatais e 5 mortes;

> Avenida Tancredo Neves - 119 vítimas não fatais e 3 mortes;

Ano de 2022

> Avenida Luís Viana Filho (Paralela) - 251 vítimas não fatais e 11 mortes;

> Avenida Antônio Carlos Magalhães (ACM) - 189 vítimas não fatais e 2 mortes;

> Avenida Afrânio Peixoto (Suburbana) - 161 vítimas não fatais e 6 mortes;

> Avenida Octávio Mangabeira (Orla) - 137 vítimas não fatais e 5 mortes;

> Avenida Tancredo Neves - 81 vítimas não fatais e 4 mortes;

Assuntos relacionados

acidentes de trânsito avenidas perigosas estatísticas de acidentes Salvador Segurança Viária vítimas fatais

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

acidentes de trânsito avenidas perigosas estatísticas de acidentes Salvador Segurança Viária vítimas fatais

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

acidentes de trânsito avenidas perigosas estatísticas de acidentes Salvador Segurança Viária vítimas fatais

Publicações Relacionadas

A tarde play
Transalvador lista avenidas com mais acidentes fatais em Salvador
Play

Polícia encontra arsenal 'assustador' dentro de parede da Lemos Brito

Transalvador lista avenidas com mais acidentes fatais em Salvador
Play

PMs são flagrados colocando corpo em viatura no bairro da Boca do Rio

Transalvador lista avenidas com mais acidentes fatais em Salvador
Play

Vídeo revela momento que carro atropela grupo de pessoas em Cajazeiras

Transalvador lista avenidas com mais acidentes fatais em Salvador
Play

Policial é atropelado em blitz por moto de criminosos em Sussuarana

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA