Prefeitura oferta vagas para acolhimento de usuários de drogas

Publicado segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020 às 21:27 h | Atualizado em 17/02/2020, 23:00 | Autor: Tainá Cristina*

Em evento realizado no Palácio Tomé de Souza, o prefeito ACM Neto assinou na tarde desta segunda-feira, o termo de parceria com quatro instituições para ofertar 210 vagas de acolhimento transitório a jovens e adultos em condição de rua e usuários de substâncias psicoativas. No prazo de dois anos, com investimento de R$ 8,316 milhões, a iniciativa contemplará cerca de seis comunidades terapêuticas, com atendimento a 35 pessoas de cada unidade.

A ação que acontece por meio da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), beneficiará jovens e adultos do sexo masculino e feminino a partir dos 18 anos, e o atendimento será segmentado com uma unidade direcionada para mulher, duas para jovens e as demais para homens adultos. Durante o tratamento, os usuários contarão com uma equipe multidisciplinar compostas por assistente social, auxiliar de enfermagem, cuidador, educador social e psicólogo. Nas unidades, serão ofertadas no mínimo, três refeições diárias.

Em quartoas coletivos para até seis pessoas, com garantia a salubridade, condições de mobilidade, ventilação e a disponibilização de kits de higiene pessoal, os assistidos farão ainda, atividades físicas desportivas, culturais, de profissionalização ou escolarização. A parceria garante ainda, o encaminhamento imediato ao tratamento, preferencialmente ao Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de referência ou unidade de saúde especializada.

As unidades que oferecem esse serviço são a Sentimento Novo, em Feira de Santana; Manassés nas unidades de Cajazeiras, Lauro de Freiras e Feira de Santana; Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra), em Cachoeira e Desafio Jovem, em Amélia Rodrigues.

ACM Neto destacou que a administração tem feito um investimento muito grande - são mais de R$65 milhões - nas políticas voltadas para a assistência às pessoas em situação de rua. “Um dos pontos importantes é exatamente esse convênio, pois vamos cuidar daquelas pessoas que têm dependências químicas, que dependem de substâncias psicoativas e usuários de álcool e drogas. São pessoas que estão muito mais vulneráveis e que o poder público não tem condições, gente e estrutura para fazer diretamente esse atendimento. Por isso, estamos fazendo esse convênio com essas instituições, de maneira que agora a gente já comece na primeira etapa com 210 pessoas, mas a ideia é que a gente condições de ampliar ainda mais isso”, frisou.

Para a titular da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), Ana Paula Matos, este é um momento importante para a cidade, principalmente pelo intenso esforço municipal em dar visibilidade às pessoas de rua. “São algumas unidades em Salvador e outras em cidades vizinhas, localizadas em um raio de 300 km, justamente pela possibilidade e oportunidade de uma nova vida em um outro lugar. O objetivo não é retirar as pessoas das ruas, no sentido de sair de perto. Pelo contrário, é dar a essas pessoas a oportunidade de um sonho de voltar à inserção social”, disse.

Publicações relacionadas