Dezoito pessoas são presas suspeitas de fornecer armas para facções | A TARDE
Atarde > Bahia

Dezoito pessoas são presas suspeitas de fornecer armas para facções

Ao menos dois policiais militares foram conduzidos para sede da PF em Salvador

Publicado terça-feira, 21 de maio de 2024 às 08:55 h | Atualizado em 21/05/2024, 09:26 | Autor: Da Redação
Ao todo, 20 mandados de prisão estão sendo cumpridos na Bahia, Pernambuco e Alagoas
Ao todo, 20 mandados de prisão estão sendo cumpridos na Bahia, Pernambuco e Alagoas -

Dezoito pessoas já foram presas durante megaoperação deflagrada na manhã desta terça-feira, 21, para investigar suspeitos de vender armas para armas e munições ilegais para facções criminosas nos Estados da Bahia, Pernambuco e Alagoas. Entre os suspeitos estão policiais militares, empresários e CACs. 

Os mandados de prisão foram cumpridos em Salvador, Santo Antônio de Jesus, Porto Seguro, Juazeiro, na Bahia, além de Petrolina/PE e Arapiraca/AL. Ao todo, 20 ordens judiciais do tipo foram expedidas.

Leia também:

>> PM encontrado morto foi torturado e passou pelo 'tribunal do crime'

Ao menos dois policiais militares da ativa foram levados à sede da Polícia Federal, em Salvador. Conforme apuração do Portal A TARDE, uma das prisões aconteceu no bairro de Pirajá, e outra na Graça. 

Batizada de 'Fogo Amigo', a operação visa desarticular organização criminosa formada por diversos policiais militares dos Estados da Bahia e Pernambuco, CACs e lojistas, especializada em vender armas e munições ilegais para facções criminosas nos estados da Bahia, Pernambuco e Alagoas.

Desde as primeiras horas da manhã, cerca de 325 policiais federais, militares, civil e do exército, além de promotores de justiça cumprem 33 mandados de busca e apreensão contra agentes de segurança pública, atiradores registrados, empresários e lojas de comercialização de armas de fogo, munições e acessórios.


Foi deferido, ainda, o sequestro de bens e bloqueio de valores de até R$ 10 milhões dos investigados, além da suspensão da atividade econômica de três lojas que comercializavam material bélico de forma irregular.

Durante a deflagração da operação, o Exército Brasileiro realizou fiscalização em outras lojas que comercializam armas, munições e acessórios controlados nos municípios de Juazeiro, no norte da Bahia, e na cidade vizinha de Petrolina, em Pernambuco.

A operação foi realizada pela Polícia Federal, GAECO Norte do MP/BA, e com o apoio da CIPE-CAATINGA, BEPI (PM/PE); CORE-Polícia Civil da Bahia; GAECO/PE; FORCE/COGER; CORREG (Polícia Militar da Bahia e de Pernambuco); e Exército Brasileiro.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS