adblock ativo

Diretor e funcionários de presídio são presos em Eunápolis

Publicado quarta-feira, 25 de setembro de 2013 às 10:34 h | Atualizado em 22/01/2021, 00:00 | Autor: Da Redação, com informações de Alean Rodrigues
Presos são acusados de facilitar crimes
Presos são acusados de facilitar crimes -
adblock ativo

O diretor-adjunto do presídio de Eunápolis, Jabes Santana, e outros oito agentes penitenciários e ex-funcionários foram presos nesta terça-feira, 24, acusados de facilitação de crimes.

De acordo com o promotor João Alves da Silva Neto, os detidos permitiam a entrada de drogas, armas e celulares no conjunto penal. Os aparelhos telefônicos eram utilizados pelos internos para comandar crimes de tráfico de drogas e falsos sequestros.

>> Ministério Público investigará presos que usam Facebook em presídio em Ilhéus

>> Detentos ficam feridos durante rebelião em Itabuna

O grupo também facilitava a execução de presos dentro do presídio. Há uma ocorrência atribuída aos detidos, mas a polícia investiga outros casos.

Detidos na ação

Além de Jabes Santana, foram detidos Ezequiel da Silva Barreto, Gildásio Gomes dos Santos, Ingrid Souza Bandeira, José Augusto Lima Pereira, Ala Sandro Farias Bastos, Jailson de Moura Santos, Milton Jackson Araújo Silva e outro identificado apenas pelo apelido de Guarapari.

De acordo com a investigação que começou em 2012, Jabes era o líder do grupo e cobrava R$ 1.500 para permitir a entrada de celular e R$ 2 mil por quilo de droga.

Para facilitar a ação, os agentes não revistavam familiares dos detentos que levavam a droga ou orientavam a pessoa a jogar o material por cima do muro do presídio, onde tinha uma rede. Em seguida, os agentes envolvidos no esquema recolhiam o produto e entregavam ao preso.

Eles foram autuados por associação para o tráfico, homicídio qualificado, aquisição e cessão de arma e prevaricação, que o crime  praticado por funcionário público contra a administração pública.

O presídio foi inaugurado em 2012 e tem capacidade para 450 presos, mas está com 30% acima da lotação. A unidade é administrada pela empresa privada Reviver.

adblock ativo

Publicações relacionadas